Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Epilepsia durante a gravidez: um estudo acerca do perfil de pacientes em idade fértil tratada pela doença nas regiões brasileiras em 5 anos com foco nas estratégias para gerenciamento do quadro.

Fundamentação/Introdução

Mulheres em idade fértil e acometidas por epilepsia, quando engravidam apresentam risco de complicações, como alteração na frequência de convulsões, aumento da morbimortalidade materna, pré-eclampsia, parto prematuro, efeitos teratogênicos devido à exposição às drogas antiepilépticas (DAE). O manejo adequado da epilepsia durante a gravidez pode envolver monitoramento frequente de concentrações séricas e substituição dessas DAE, além de ajustes de dose, buscando minimizar a ocorrência de anomalias congênitas e proteger a saúde materna.

Objetivos

Descrever perfil de pacientes em idade fértil tratada pela epilepsia nas regiões brasileiras em 5 anos e elucidar os riscos promovidos por ela durante a gravidez, abordando o gerenciamento do quadro.

Delineamento/Métodos

Utilizado banco de dados Datasus com informações acerca de morbimortalidade em mulheres em idade fértil (10-49 anos) por epilepsia, avaliando a ocorrência de acordo com etnia, faixa etária e região do Brasil no período de 1/2012 a 1/2017.

Resultados

No Brasil (BR) ocorreram 42.962 internações de mulheres em idade fértil associadas à epilepsia, sendo a maior parte delas na faixa etária de 20 a 29 anos (9.733 casos) e de 40 a 49 anos (9.706 casos). Em todas as faixas etárias o maior número de casos ocorreu na região Sudeste (SE), correspondendo a 42,98% do total de casos, seguido pela região Sul (SU), com 22,41% dos casos e Nordeste (NE), com 19,53% dos casos. No BR, a etnia mais atingida foi a de brancas (16.072), seguida de pardas (12.436) e negras (1.405). Dentre as brancas as regiões SE e SU representam juntas 93,97% do total, já dentre as pardas as regiões SE e NE representam 74,83%. Quanto a taxa de mortalidade a maior encontra-se no NE (2,06), seguida pelo Norte (1,77) e SE (1,39).

Conclusões/Considerações finais

O planejamento pré-concepto responderá para redução dos riscos tanto maternos quanto fetal, entretanto o reconhecimento acerca dos benefícios e malefícios das terapias empregadas no manejo da epilepsia durante a gravidez, além de abordagem individualizada por equipe multidisciplinar, se faz necessário para melhorar os desfechos em grávidas com epilepsia. Além disso, é importante uma visão mais abrangente voltada para os estados com maior taxa de mortalidade, como NE e NO, além de uma observação maior das etnias e faixa etárias mais atingidas.

Palavras Chaves

Mulheres; Epilepsia; Convulsões.

Área

Clínica Médica

Autores

Camylla Santos Souza, Lívia Liberata Barbosa Bandeira, Arquizia Morais de Albuquerque, Patricia Fraga Paiva, Joao Davi Souza Neto

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017