Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Demanda e necessidade de disponibilidade médica conforme a classificação de risco em Unidade de Pronto Atendimento

Fundamentação/Introdução

O planejamento da força de trabalho em saúde tem sido um dos grandes desafios para a gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) (CARVALHO, SANTOS, CAMPOS, 2013). No contexto da rede de urgência e emergência, há escassez de estudos que descrevem como o tempo é utilizado pelos profissionais médicos e de que forma a demanda se distribui.

Objetivos

O presente estudo objetiva avaliar o tempo de atendimento médico segundo a classificação de risco da população atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento

Delineamento/Métodos

Foi realizado um estudo retrospectivo, no período de janeiro a junho de 2016, em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) porte 3, localizada na zona sul de São Paulo, considerando a demanda para Clínica Médica e o tempo de atendimento por classificação de risco conforme o Sistema Manchester.

Resultados

Foram analisadas 10.926 consultas médicas, o volume diário de atendimentos na Clínica Médica foi de 275, esta demanda ocorre fundamentalmente na manhã, com um pico entre 10 e 11 horas. Pacientes com classificações de risco de menor prioridade se concentram também nesse período.
A distribuição por classificação de risco foi: Branco, 1,81%; Azul, 4,34%; Verde, 53,35%; Amarelo, 26,2%; Laranja, 14,05% e Vermelho, 0,43%.
A duração da avaliação inicial variou de 6,9 a 45 minutos (min), sendo o tempo total para atendimento de um paciente padrão: Branco, 17min; Azul, 11min, Verde, 12min; Amarelo, 12min, Laranja, 13min, Vermelho, 48min. Os pacientes Laranja apresentaram maior taxa de reavaliação, 45%, porém, os Brancos exigiram reavaliações mais longas, 12 minutos.
Consultas longas são frequentemente associadas à qualidade do cuidado porém, estudos mostram que não há associação com a satisfação do paciente e nem com a prescrição medicamentosa, encaminhamentos ou solicitação de exames.
Os resultados encontrados são semelhantes a pesquisas em atenção primária de países da Europa, cujo tempo médio de consulta variou entre 7,6 min a 15,6 minutos.

Conclusões/Considerações finais

Não existem normativas que estabeleçam de forma precisa a duração mínima ou máxima da consulta médica. Entretanto, este estudo mostra que são necessárias avaliações mais abrangentes para dimensionar a força de trabalho necessária para atender a demanda em unidades de pronto atendimento.
Os resultados obtidos auxiliam na compreensão do emprego da força de trabalho e podem embasar na tomada de decisão para o dimensionamento de equipes, compondo na busca por soluções para as filas de espera nos serviços de urgência e emergência.

Palavras Chaves

Recursos humanos em saúde; Políticas, planejamento e administração em saúde; Carga de trabalho, Centros de Atendimento de Urgência, Sistema Único de Saúde (SUS)

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Israelita Albert Einstein - Sao Paulo - Brasil

Autores

Claudia de Cassia Tanoue Hasegawa, Cheila Portela Silva, Fernanda Ferreira Medeiros, Cassiano Ricardo Martins Garcia, Wilerson Andresy Faria

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017