Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HOSPITALIZAÇÃO E MORTALIDADE POR SEPTICEMIA NAS DIFERENTES REGIÕES BRASILEIRAS

Fundamentação/Introdução

A septicemia é conhecida pela sua agressividade. é um grande desafio para a assistência médica, pois continua sendo umas das principais causas de mortes em unidades de terapia intensiva (UTIs).

Objetivos

Descrever o comportamento das internações ocorridas por septicemia, no período de 2012-2016, comparando as diferentes regiões do Brasil.

Delineamento/Métodos

Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo e transversal, cujos dados foram coletados no Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS).

Resultados

Houve 502.661 casos de internação por septicemia em todo Brasil, no período analisado. Desses, 263.767 no sexo masculino e 238.894 no feminino. O número apresentou aumento em todo o território ao longo dos anos, passando de 84.599 em 2012 para 108.317 em 2016, e não existe diferença de prevalência em relação aos meses. A região de maior número de internações foi a Sudeste, com 259.554 casos (51,6%), e as de menor números foram a Norte, 26.417 (5,2%) e o Centro-Oeste, 20.790 casos (4,1%). Cerca de 1.563.313.490,12 foram gastos no país com pacientes sépticos durante os anos analisados, sendo mais de 50% desse valor correspondente ao Sudeste. O tempo médio de internação foi 12,2 dias; elevando-se no Sudeste e Centro-Oeste e não atingindo 11 dias no Norte, Nordeste nem Sul do Brasil. O período de hospitalização foi mais elevado entre os pacientes menores de 1 ano de idade. A taxa de mortalidade geral foi de 44,57%, sendo mais elevada na região Sudeste (49,05%) e Centro-Oeste (45,23%), e tendo menor valor na região Norte (36,88%). Analisando em relação a faixa etária, o menor valor correspondeu a á faixa etária de 5 a 9 anos, com 10,58% e o maior a de 80 anos ou mais, com 67,32%.

Conclusões/Considerações finais

A região Sudeste apresentou o maior número de internações, maiores custos no tratamento de seus pacientes, maiores taxas de mortalidade e maior tempo médio de internação. A região Norte e o estado de Rondônia apresentaram as menores taxas de mortalidade entre as regiões e estados brasileiros. O menor tempo médio de internação foi verificado na região Nordeste e no estado do Piauí.

Palavras Chaves

EPIDEMIOLOGIA, HOSPITALIZAÇÃO, SEPSE

Área

Clínica Médica

Instituições

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - Alagoas - Brasil

Autores

PAULA ESTEVAM PEDROSA TOLEDO, MARTHA ALVES DE MENDONÇA, MARCOS ROBERTO CAMPOS JÚNIOR, RAFAEL MOURA TORRES, JOÃO KLÍNIO CAVALCANTI

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017