Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Associação entre Alterações Isquêmicas no Eletrocardiograma e Fatores de Risco para Doença Arterial Coronariana em pacientes com Dor Torácica

Fundamentação/Introdução

A dor torácica na emergência representa grande desafio diagnóstico devido a sua multicausalidade e ao grande potencial de gravidade quando é ocasionada devido à doença arterial coronariana (DAC). A síndrome coronariana aguda (SCA) engloba um grupo de entidades que incluem infarto agudo do miocárdio (IAM) com Supradesnível do segmento ST (SST), IAM sem SST e angina instável. Essas manifestações são causas comuns de atendimentos e de admissões nos departamentos de emergências, provocando elevados índices de morbidade e mortalidade.

Objetivos

O objetivo desse estudo consiste em descrever as associações entre alterações isquêmicas encontradas nos ECG, dor torácica como sintoma que levou o doente ao serviço de emergência e variáveis clínicas associadas a aumento da probabilidade de DAC.

Delineamento/Métodos

Foi realizado um estudo observacional descritivo de caráter transversal, no qual entre fevereiro e março de 2017, foram colhidos registros de 138 pacientes atendidos na emergência do Hospital Governador Flávio Ribeiro Coutinho. Apenas fichas com ECG eram selecionadas. Idade, sexo, hipertensão, diabetes e dor torácica eram as características observadas e que seriam relacionadas com os sinais de isquemia no ECG.

Resultados

A idade dos pesquisados teve média de 58,21 anos, sendo 85,5% deles com 40 anos ou mais. O sexo feminino representou 68,8% da amostra. 57,2% não sabiam ser hipertensos e 39,9% o eram; 10,1% tinham diabetes. Um pouco menos da metade, 47,1%, apresentavam dor torácica e em 14,5% dos ECGs havia alterações sugestivas de isquemia. Dentre os maiores de 60 anos, 17,4% possuíam ECG com alguma alteração de isquemia, mas sem significado estatístico, p= 0,549; e nos homens o resultado do exame foi alterado em 23,3%, p= 0,049. Relativo às variáveis clínicas, entre os pacientes com dor torácica, 21,5%, p=0,027, apresentaram ECG com sinais de isquemia. Indivíduos com hipertensão, em uso de anti-hipertensivos e diabéticos apresentaram alterações eletrocardiográficas em, respectivamente, 14,5%, 16,3% e 21,5% dos casos e todos com p sem significado estatístico. Quanto à dor torácica e sua relação com idade e sexo: os maiores de 60 anos, em 47,5% das vezes, a sentiram, p=0,975; e o sexo feminino, em 47,4%, p=0,926, tinham o sintoma.

Conclusões/Considerações finais

Concluímos que o sexo masculino possui a maioria dos eletrocardiogramas alterados e menos de 1/3 dos pacientes com dor torácica típica possuem ECG com sinais de isquemia.

Palavras Chaves

Dor Torácica; Eletrocardiograma; Doença Arterial Coronariana

Área

Clínica Médica

Autores

Igor Souza Pessoa da Costa, Carolinne Ribeiro Coutinho Madruga, Maria Claudia Lins Pereira, Louise Lira Bronzeado Cavalcanti, George Robson Ibiapina

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017