Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Febre Maculosa Brasileira um desafio na pratica clínica: um relato de caso em área endêmica

Fundamentação/Introdução

A febre maculosa (FM) é uma doença causada pela bactéria Rickettsia rickettsii (RR), de notificação compulsória obrigatória no Brasil, sendo transmitida a partir da picada de carrapatos infectados. Entre 2007-2015 foram confirmados 1245 casos, concentrados em São Paulo e Santa Catarina. A despeito da baixa incidência, se associa à significativa morbimortalidade e elevada letalidade, em geral decorrentes do grande desconhecimento sobre a doença e ao baixo índice de suspeição na prática clínica.

Objetivos

Relatar a evolução e processo de investigação de um caso confirmado de febre maculosa atendido em hospital terciário de Campinas- SP.

Delineamento/Métodos

Relato de caso

Resultados

A.G.S.,19 anos, masculino, hígido, tratador de cavalos e trabalhador em porto de areia de rio em Paulinia-SP. Procurou atendimento médico durante 4 dias consecutivos em abril de 2017 com queixa de febre, mialgia, dor retro-orbitária, cefaleia, dor abdominal difusa e vômitos, quando recebeu a hipótese diagnóstica de amigdalite e posteriormente de dengue, prescrito sintomáticos e reposição volêmica com liberação após. Em 30 de abril, procurou novamente o pronto socorro, já em choque séptico, sendo submetido a suporte ventilatorio mecânico, alem do uso de drogas vasoativas e de antibióticos de amplo espectro. Durante a internação, evoluiu com diversas complicações como: insuficiência hepática, insuficiência renal, plaquetopenia, lesões purpúricas em membros, necrose de extremidades e hemorragia cerebral. Na internação, ainda necessitou ser submetido à amputação dos pododáctilos necrosados, conseqüência de choque importante. A confirmação da doença se deu por confirmação por soroconversão em imunofluorescencia indireta em amostras pareadas, sendo reagente apenas na convalescença. Sorologias para outras doenças causadoras de síndromes hemorrágicas febris, como dengue e leptospirose, foram negativas. Recebeu alta após 51 dias de internação.

Conclusões/Considerações finais

Apesar de morar numa das áreas do país com maior número de casos de febre maculosa e apresentar antecedentes epidemiológicos de risco, o paciente a suspeita da doença só se deu após diversos atendimentos e em estágio avançado da doença. O presente caso ilustra a evolução e história natural da doença e ratifica a importância da necessidade de conhecimento clínico, mas também epidemiológico da febre maculosa brasileira como elementos fundamentais para redução da morbimortalidade associado a esse agravo reemergente.

Palavras Chaves

Febre maculosa, síndromes febris hemorrágicas, choque séptico.

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital das Clinicas da Universidade Estadual de Campinas - Sao Paulo - Brasil

Autores

Heloana Albino Campos, Laura Costa Guimaraes Trindade, Grazielly De Fatima Pereira, Diego Quilles Antoniassi, Rodrigo Nogueira Angerami

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017