Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Análise do perfil de morbimortalidade de aterosclerose no estado de Minas Gerais comparado à região sudeste

Fundamentação/Introdução

Doenças de natureza aterosclerótica são a causa maior de morbimortalidade na faixa etária adulta, tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento. Obesidade, dislipidemia, dentre outros fatores, podem ser precursores dessa patologia, quando não tratados. Dessa forma, é relevante a análise descritiva desse perfil para reafirmar a importância de um manejo correto de pacientes com esse perfil e sua prevenção.

Objetivos

Analisar o perfil de morbimortalidade de aterosclerose no estado de Minas Gerais em comparação ao da região Sudeste.

Delineamento/Métodos

Estudo descritivo, com dados obtidos pelo DATASUS, com as variáveis sexo, faixa etária, etnia e taxas de mortalidade e internação por aterosclerose no estado de Minas Gerais e região Sudeste de 1/2008 a 1/2017.

Resultados

A região Sudeste (SE), apresentou uma quantidade total de 63.713 internações associadas a aterosclerose. Dessas, 22,9% das internações foram no estado de Minas Gerais (MG), sendo o 2º estado mais incidente após São Paulo com 53%. Em MG a faixa etária mais atingida foi de 60-69 anos (4.039 casos), sendo o grupo infanto-juvenil o menos atingido. O sexo masculino foi o mais acometido no SE (55,1%) e em MG (8.039 casos), já a taxa de mortalidade (TxM) em ambos os casos foi maior na população feminina (SE – 4,82; MG – 4,31); TxM masculina de 4,08 (SE) e 3,64 (MG). Quanto à etnia, em MG, pardos (34,79%), brancos (26,65%), e negros (5,71%). No SE, entretanto, os brancos representaram maioria (45,05%), pardos (24,31%) e negros (5,96%). A (TxM), em MG, foi superior em negros (5,51), enquanto no SE esta taxa foi de 3,79, e os brancos possuíram maior TxM (4,16).Em MG destaca-se a TxM de amarelos e indígenas (11,90 e 33,33) que foi muito superior à TxM para os mesmos no SE (4,40 e 17,65, respectivamente). A TxM média do SE foi de 4,41, enquanto em MG foi de 3,95, sendo a menor dentre os estados da região.

Conclusões/Considerações finais

A análise do perfil epidemiológico da população atingida por aterosclerose permite a elaboração de melhores estratégias para o combate desta patologia e suas consequências. Em MG se faz necessário uma abordagem mais completa na população indígena e amarela, a fim de reduzir a alta TxM, todavia o estado possui a melhor TxM da região, e deve-se analisar os diferenciais do atendimento nessa localidade para que seja exemplo em outros locais. Por fim, já que MG é o 2º do SE em número de internações, se fazem necessárias campanhas de prevenção e conscientização mais abrangentes.

Palavras Chaves

Aterosclerose; Patologia; Pacientes

Área

Clínica Médica

Instituições

Autores

Livia Liberata Barbosa Bandeira, Camylla Santos Souza, Arquizia Morais Albuquerque, Isabela Corrêa Cavalcanti Sá, Joao Davi Souza Neto


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017