Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANÁLISE CLÍNICA DE PACIENTES ACOMETIDOS POR HEPATITES NO ESTADO DO MARANHÃO

Fundamentação/Introdução

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C, porém, existem ainda os tipos D e E, sendo caracterizadas pela inflamação do fígado que pode ser originada por múltiplas causas, como uso de alguns medicamentos, infecção por vírus, uso de álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas, cujo os sintomas podem ser, febre, mal-estar, vômitos, dor abdominal, olhos amarelados, urina escura, fezes claras entre outros. Devido a sua gravidade, há o risco dessas doenças causarem danos mais graves ao fígado como cirrose e câncer.

Objetivos

Descrever a análise clínica de pacientes acometidos por hepatites no estado do Maranhão.

Delineamento/Métodos

Foi realizado um estudo descritivo, retrospectivo e com abordagem quantitativa dos dados através do Sistema de Informação de Agravos e Notificação referente aos casos confirmados de hepatite no ano de 2015 no Estado do Maranhão.

Resultados

No ano de 2015 foram 310 casos confirmados de hepatites no estado do Maranhão. A população estudada foi identificada por macrorregiões de saúde, sendo 170 (54,8%) casos notificados em São Luís, 41 (13,2%) em Presidente Dutra, em Imperatriz 35 (11,3%), 20 (6,5%) em Pinheiro, 15 (4,8%) em Coroatá, 16 (5,2%) em Santa Inês, 8 (2,6%) em Caxias e 5 (1,6) em Balsas. Em relação ao sexo, 161 (51,9%) casos eram feminino e 149 (48,1%) masculino. Quanto a idade, 110 (35,5%) casos se encontravam entre 20 a 39 anos, 70 (26,6%) entre 40 a 59 anos, 30 (9,7%) entre 5 a 9 anos, 20 (6,5%) entre 10 a 14 anos e 80 (21,7%) tinham outras idades. No que se refere a etiologia, 132 (42,6%) possuíam hepatite pelo vírus B, 79 (25,5%) pelo vírus A, 66 (21,3%) pelo C e 34 (10,6%) por outros vírus. Em relação ao modo de infecção, 157 (50,6%) não foram identificados, 70 (22,6%) através da alimentação/água, 42 (13,5%) através de relação sexual e 41 (13,3%) por outras causas.

Conclusões/Considerações finais

As hepatites são doenças muito negligenciadas, onde em casos mais graves pode evoluir a um quadro crônico. A capital de São Luís apresentou uma maior porcentagem 54,8% de casos, o que pode ser atribuído a quantidade populacional. Observou-se que os casos mais acometidos estavam em idades entre 20 a 39 anos, o que pode ser atribuído a susceptibilidade a relações sexuais desprotegidas e uso de droga ilícitas injetáveis. Devido a problemática da doença e suas complicações, é de fundamental importância que haja politicas públicas de saúde mais eficazes para a redução de novos casos.

Palavras Chaves

hepatite; morbidade; hepatite crônica.

Área

Clínica Médica

Instituições

Autores

GUILHERME VIDIGAL FERNANDES DA SILVA, JULIANA BARROS OLIVEIRA SILVA, LETICIA CASTRO FREIRE, RENATA DIONISIO NUNES DE OLIVEIRA, INGREDY EYLANNE MONROE CARVALHO


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017