Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇÃO DE RISCO PARA TROMBOEMBOLISMO VENOSO (TEV) E ADESÃO À PROFILAXIA INDICADA SEGUNDO O SCORE DE CAPRINI E O FLUXOGRAMA DA DIRETRIZ BRASILEIRA DE PROFILAXIA DE TEV

Fundamentação/Introdução

Introdução: Tromboembolia Venosa (TEV) é definida como trombose venosa profunda (TVP) e tromboembolismo pulmonar (TEP), e sua real incidência é subestimada, mas ainda é a terceira causa de morte cardiovascular. São diferentes os protocolos utilizados visando à estratificação do risco de TEV nos pacientes internados em enfermarias cirúrgicas, sendo importantes, pois orientam, quanto à indicação e ao início da profilaxia.

Objetivos

Objetivos: Comparar o algoritmo da Diretriz Brasileira de profilaxia de TEV em pacientes cirúrgicos com o Escore de Caprini em um hospital público de João Pessoa – PB

Delineamento/Métodos

Métodos: Foi realizado um estudo observacional transversal com uma amostra de 25 pacientes internados na enfermaria cirúrgica de um hospital público no município de João Pessoa-PB. Um questionário padronizado contendo dados demográficos e os dois protocolos foram preenchidos por meio de consulta de prontuário e entrevista com os pacientes. Em seguida foi realizada uma análise descritiva dos dados coletados.

Resultados

Resultados: Dos pacientes avaliados, 36% (p=0,01) eram homens e 64% (p=0,01) mulheres, com idade média de 49,04 anos. Segundo o Score de Caprini, 96% (p=0,01) possuíam indicação de profilaxia medicamentosa, enquanto pela DBPT apenas 56% (p=0,01) possuíam essa mesma indicação , e os outros 44% (p=0,01) apenas estímulo à deambulação precoce e fisioterapia motora. Apenas 12% (p=0,01) dos pacientes apresentaram-se em uso de alguma profilaxia química, o que corresponde a 12,5% (p=0,01) para o Escore de Caprini e 21,5% (p=0,01) para o DBPT, dentro dos pacientes com indicação de profilaxia. Utilizando o escore de Caprini, 4% (p=0,01) dos pacientes apresentavam muito baixo risco (0 pontos) enquanto o DBPT qualificou 36% (p=0,01) dos pacientes como baixo risco (ou seja, sem indicação de profilaxia).

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: Neste estudo foi constatado uma baixa adesão a profilaxia nesta amostra de pacientes, apontando a necessidade de implantação de protocolos de avaliação de tromboembolismo para a melhoria desta prática. Observou-se uma desproporção importante na sensibilidade de pacientes com indicação de profilaxia química de acordo com a escala utilizada, devido uma mesma variável receber diferentes pontuações (ex: porte de cirurgia). Como a amostra analisada foi reduzida, mais estudos devem ser realizados para avaliar o papel e as diferenças na aplicação das escalas.

Palavras Chaves

Fatores de Risco. Tromboembolia Venosa. Protocolos de Decisão

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Municipal Santa Isabel - Paraiba - Brasil

Autores

Willams Germano Bezerra Segundo, Gabriel Mendonça Diniz Lima, Taciana Uchôa Passos, Gilvandro Assis Abrantes Leite Filho, Maria Alenita De Oliveira

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017