Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Endocardite infecciosa de origem fúngica em paciente com valvopatia aórtica congênita

Fundamentação/Introdução

A endocardite infecciosa (EI) representa a infecção por vírus, bactérias ou fungos de uma valva cardíaca ou endocárdio mural. Nas últimas décadas, observa-se um aumento nos casos de EI causada por fungos. Grande parte acontece em usuários de drogas endovenosas e portadores de próteses valvares. Pacientes com valvopatia prévia podem ter altas chances de apresentar o quadro devido à exposição prolongada a antibióticos, inserção de cateteres ou mesmo leucopenia intensa.

Objetivos

Contribuir para o conhecimento médico acerca de EI fúngica a partir de um caso confirmado no Hospital Geral de Roraima.

Delineamento/Métodos

Relato de Caso: F.N.S.S., sexo masculino, 46 anos, casado, residente em Boa Vista – RR, portador de cardiopatia congênita (Valva Aórtica Bicúspide) assintomática, hipertenso e diabético, iniciou quadro de febre de origem indeterminada com duração de 9 semanas associado a calafrios, que melhorava com autoadministração de antitérmicos e não mantinha relação com outros sintomas. Procurou serviço médico, onde foram realizados eletrocardiograma, ecocardiograma e exames laboratoriais sem achados significativos. Devido manutenção da febre, sem resolução após início de antibióticos, além da presença de astenia intensa optou-se por internar o paciente.

Resultados

No serviço de Infectologia, a investigação apresentou sorologias para HIV e Leishmaniose Visceral não reagentes, além de hemoculturas negativas. Decidiu-se por instituir Antibioticoterapia de amplo espectro com Vancomicina e Gentamicina, porém, sem melhora. O paciente então se apresentou com sopro cardíaco novo em foco aórtico, onde o ecocadiograma transtorácico evidenciou vegetação condizente com quadro de EI. Iniciado Anfotericina B, com boa evolução. Hoje, paciente aguarda procedimento cirúrgico de troca valvar.

Conclusões/Considerações finais

Os principais agentes são representados pela Candida e o Aspergillus. Enquanto a EI por Aspergillus é comumente registrada em receptores de próteses valvares e de valvas biológicas humanas, a Candida spp. é responsável pela EI que incide em usuários de drogas injetáveis e pacientes submetidos a cirurgias cardíacas. O diagnóstico da EI Fúngica não é fácil e seu quadro não é patognomônico desta condição. Alta suspeição clínica de infecção fúngica associada a hemoculturas negativas, sopros de surgimento recente e vegetações demonstradas em exames de imagem podem definir o diagnóstico. A terapêutica baseia-se em Anfotericina B e procedimentos cirúrgicos, quando formalmente indicados.

Palavras Chaves

Relato de Caso, valvopatia congênita, endocardite infecciosa, infecção fúngica.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal de Roraima - Roraima - Brasil

Autores

Rodrigo Marques Carneiro, Fernando Cardoso Oliveira, Iago Fernando de Abreu Rodrigues, Tarsia Regina Leal Ramos, Lucas Silva Gomes

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017