Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANEURISMAS CEREBRAIS FUSIFORMES SUBMETIDOS A TRATAMENTO ENDOVASCULAR

Fundamentação/Introdução

INTRODUÇÃO: Aneurismas intracranianos Fusiformes são dilatações arteriais anômalas sem colo definido, devido a fragilidade na parede arterial cerebral. O conhecimento das características desses aneurismas e sua identificação precoce são de fundamental importância para evitar as consequências de seu rompimento e nortear seu manejo adequado.

Objetivos

OBJETIVO: Analisar o tratamento endovascular dos aneurismas fusiformes e sua epidemiologia em um serviço de Neurocirurgia de referência.

Delineamento/Métodos

MÉTODOS: Foram analisados, no período de janeiro de 2006 a abril de 2017, 32 pacientes submetidos a embolização de aneurismas do tipo fusiforme. As variáveis computadas incluíram idade, sexo, presença de comorbidades, dentre elas hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, cardiopatias e tabagismo.

Resultados

RESULTADOS: Quanto aos dados epidemiológicos, a média de idade foi de 53,06 anos, 65,62% (n=21) eram homens e 34,37% (n=11) mulheres. Quanto às co-morbidades, 56,25% (n=18) eram hipertensos, 40,62% (n=13) dislipidêmicos, 21,87% (n=7) tabagistas e 6,25% (n=2) diabéticos. Quanto ao tamanho do aneurisma 50% (n=16) gigantes, 31,25% (n=10) pequenos e 18,75% (n=6) grandes. Quanto à localização: artéria basilar 34,37% (n=11), artéria vertebral segmento V4 21,87% (n=7), artéria carótida interna 15,62% (n=5), artéria vertebro-basilar 6,25% (n=2), artéria cerebelar postero inferior (PICA) 6,25% (n=2), artéria vertebral segmento V3 3,12% (n=1), artéria comunicante posterior 3,12% (n=1), artéria cerebral anterior 3,12% (n=1), artéria cerebral média segmento M1 3,12% (n=1), artéria cerebral posterior segmento P1 3,12% (n=1). O tratamento, em relação ao total de procedimentos, foi realizado somente com stent em 52,77% (n=19), somente coils em 17% (n=6) e coils em associação com stent em 25% (n=9). Em algus procedimentos foram utilizados mais de um stent ou coil. De um total de 28 stents utilizados foram, 67,85% (n=19) LEO, 17,85% (n=5) Neuroform, 10,70% (n=3) LVIS, 7,14% (n=2) Solitaire e 3,57% (n=1) LEO baby. Dos 17 coils utilizados, foram: 29,42% (n=5) Boston Scientific, 29,42% (n=5) Microvention, 23,52% (n=4) MTI/EV3 e 17,64% (n=3) Micrus.

Conclusões/Considerações finais

CONCLUSÃO: Os dados concordam com a literatura, especialmente a idade média de 53 anos, sexo masculino mais acometido; hipertensão, dislipidemia e tabagismo como principais fatores e localizações mais frequentes em a. basilar e segmento intracraniano a. vertebral. O tratamento endovascular se mostrou uma técnica eficaz e segura.

Palavras Chaves


PALAVRAS CHAVE: Aneurisma fusiforme, Embolização, Neurocirurgia Endovascular

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Regional de Blumenau - Santa Catarina - Brasil

Autores

Liz Caroline Oliveira Camilo, Leandro José Haas, Letícia Saori Tutida, Evelyn Della Giustina, Thaize Regina Scramocin

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017