Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS ECOGRÁFICAS DAS PLACENTAS DE GESTANTES ATENDIDAS NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS EM 2015

Fundamentação/Introdução

Fundamentação/Introdução: A placenta é a principal interface feto-materna e a variação do local de implantação desse órgão intermediador pode ocasionar complicações, principalmente no período final da gestação.
A espessura e amadurecimento placentários também são parâmetros preditivos do desenvolvimento e bem estar fetal.

Objetivos

Objetivos: Analisar a maturidade e a inserção placentárias vistas à ultrassonografia em gestantes do sul do Tocantins.

Delineamento/Métodos

Delineamento/Métodos: Estudo de coorte longitudinal prospectivo baseado nos dados de 343 ultrassonografias realizadas entre o período de janeiro a dezembro de 2015, registradas no sul do Tocantins por uma clínica de diagnóstico por imagem referência em ultrassonografia obstétrica. Foram excluídas do estudo aquelas que não apresentavam dados suficientes sobre a inserção, maturidade e espessura placentária, restando uma amostra de 200 ultrassonografias gestacionais.

Resultados

Resultados: Este estudo compreendeu mulheres entre 14 e 45 anos, com média de 27,67±6 anos. A Idade gestacional média é de 28,54 semanas. A inserção placentária deu-se, principalmente, na parede uterina anterior, compreendendo 51% (n=102) dos casos. As de inserção posterior foram contabilizadas em 81 casos (40,5%). Apenas 4% delas eram placentas fúndicas. Das 200 gestantes, apenas uma apresentou placenta discretamente baixa tocando a margem do óstio interno do colo uterino, sendo esse um fator preditivo de placenta prévia. Todas as placentas apresentaram espessura normal. O estudo da maturidade placentária mostrou que a placenta de grau I foi a mais prevalente, representando 51,5% (n=103) e a média de idade gestacional (IG) desse grupo é de 25,3±5,82 semanas. A placenta de grau II constitui 35% (n=70) e apresenta média da IG de 34,75±3,54 semanas. A placenta grau III representou 5% (n=10) e não apareceu antes da 35º semana e o grau 0 (n=17) foi mais comum até a 20º semana.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões/Considerações Finais: A implantação placentária baixa é um fator de risco gestacional e deve ser acompanhado rotineiramente. Dessa forma, o baixo percentual de tal característica no estudo e a prevalência de inserções placentárias oportunas apresentam prognóstico favorável à população avaliada.
O processo de amadurecimento da placenta se mostrou adequado para a idade gestacional, o que indica ausência de sofrimento e um bom desenvolvimento fetal.

Palavras Chaves

Placenta, Gestante, Fator de risco

Área

Clínica Médica

Instituições

Centro Universitário Unirg - Tocantins - Brasil

Autores

Carla Bertonsin Silva Brito, Brenda Bezerra Marinho Mendes, Luciana Snovarski Mota, Fabiana Cândida de Queiroz Santos Anjos, William da Silva Neves

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017