Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇÃO PARA O RISCO DE DOENÇAS CEREBROVASCULARES POR MEIO DO ESCORE DE FRAMINGHAM EM UMA POPULAÇÃO ADULTA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA

Fundamentação/Introdução

Introdução: O escore de Framingham prediz a probabilidade de doença cardiovascular, incluindo Acidente Vascular Cerebral (AVC), nos próximos 10 anos, e durante toda a vida, a partir da combinação de vários fatores de risco. Essa escala demonstra eficácia na prática da prevenção primária, visto que o Framingham Heart Study foi realizado com uma amostra de pessoas sem comorbidades aparentes, sendo excluídos os pacientes previamente diagnosticados com coronariopatias.

Objetivos

Objetivo: Correlacionar o escore de Framingham com o risco de doença cerebrovascular, com a faixa etária e o sexo, em uma amostra da população adulta do município de João Pessoa - PB.

Delineamento/Métodos

Metodologia: É um estudo transversal, quantitativo, formado por 120 voluntários que participaram de uma ação social realizada por uma unidade de saúde da cidade de João Pessoa – Paraíba. Utilizou-se o escore de Framingham para AVC, que possui como critérios: sexo, idade, etnia, HDL, colesterol total, presença de diabetes, tabagismo, uso de anti-hipertensivo e valor da pressão arterial sistólica. Para ser incluído na pesquisa, o indivíduo tinha que ter idade maior que 20 e menor que 79 anos, gerando assim, uma amostra de 100 pacientes.

Resultados

Resultados e Discussões: Foi possível calcular o escore de porcentagem para risco de AVC em 10 anos em 76 pacientes, apresentando uma média total de 11,09%, com seu limite máximo de 39,0% e o mínimo de 0,5%. Tiveram valores de acima dessa média 31,0% dos entrevistados. A faixa etária de maior acometimento foi entre 70-79 anos, sendo 22,0%. A distribuição por sexo mostrou que, proporcionalmente, os homens possuem maior risco (26,0%) quando comparada as mulheres (23,0%). O escore de porcentagem de risco de ter AVC durante o tempo de vida foi calculado em 56 indivíduos, variando entre 69,0% e 3,2%, com média de 32,5%. Uma considerável parte da amostra (57,0%) está acima dessa média, sendo um fator preocupante, pois destes 40,0% estão na faixa etária entre 50-59 anos. O sexo feminino é a maior parte dessa amostra sendo 68,0%.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: É possível caracterizar que a população mais idosa tem maior probabilidade de ter um AVC em 10 anos, acometendo principalmente os homens. Já quanto ao risco de ter AVC em todo tempo de vida, a idade de maior incidência reduziu, sendo um fator alerta, principalmente nas mulheres. Dessa forma, entende-se que conhecer os mais importantes fatores de risco para determinada doença é fundamental para preveni-la.

Palavras Chaves

Palavras-chave: Doenças Cardiovasculares. Acidente Vascular Cerebral. Fatores de Risco.

Área

Clínica Médica

Instituições

Faculdade Ciências Médicas - Paraiba - Brasil, Faculdade de Medicina Nova Esperança - Paraiba - Brasil

Autores

Larissa Silva de Siqueira Figueiredo, Isabelle Maria de Oliveira Gomes, Nicássio Silva Menezes, Carolina de Moura Germoglio, Leonardo Meira de Carvalho

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017