Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ASPECTOS CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE EM PALMAS-TO.

Fundamentação/Introdução

Embora seja uma doença de fácil diagnóstico e tratamento, a hanseníase ainda é um importante problema de saúde pública no Brasil. Cujo dano neurológico é responsável por importantes sequelas que podem surgir. A fim de detectar precocemente estas incapacidades, a avaliação dermato-neurológica deve ser realizada nos pacientes em tratamento.

Objetivos

Investigar os aspectos e clínico-epidemiológicas da hanseníase: forma clínica e grau de incapacidade física no diagnostico, através do banco de dados da Secretaria Municipal de Saúde de Palmas-TO, no período de janeiro de 2009 a dezembro de 2016.

Delineamento/Métodos

O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética de Pesquisa em Humanos, e segue os preceitos da Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde.
O estudo epidemiológico é do tipo descritivo, retrospectivo dos casos de hanseníase do município de Palmas - TO, registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, entre o período de janeiro de 2009 a dezembro de 2016. Foram analisadas as variáveis: forma clínica e grau de incapacidade física.

Resultados

A forma clínica dimorfa representou 58,58% dos casos de hanseníase no período analisado, a indeterminada 17,4% dos casos, tuberculóide 11,3% e virchowiana 9,3%. Sendo que 3,4% dos casos novos não tiveram a forma clinica classificada.
Quanto ao grau de incapacidade física, observou-se que no período analisado 95,6% dos casos novos de hanseníase tiveram o grau de incapacidade física avaliado no diagnóstico. Já a proporção de casos de hanseníase com grau 2 de incapacidade física no diagnóstico, entre os avaliados foi de 6,7%.

Conclusões/Considerações finais

A avaliação do grau de incapacidade física abrangeu quase a totalidade dos indivíduos, sendo considerado bom (>90%), conforme critérios do Ministério da Saúde. Porém é possível notar uma tendência de crescimento do número de indivíduos diagnosticados com grau II de incapacidade física, o que enfatiza o diagnostico tardio da hanseníase e um prognostico ruim, podendo levar ao desenvolvimento de incapacidades limitantes em jovens. A proporção de casos de hanseníase com grau 2 de incapacidade física no momento do diagnostico, entre os casos detectados e avaliados foi media (5 - 9,9%) conforme critérios do Ministério da Saúde.

Palavras Chaves

Hanseníase; Mycobacterium leprae; Nervos Periféricos.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal do Tocantins - Tocantins - Brasil

Autores

Guilhermes Henrique Cavalcante, Álvaro Rossano Cavalcante, Daniel Botelho Mariano, Jefferson Luis Santos Botelho, Sandra Maria Botelho Mariano

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017