Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Estudo sobre a mortalidade por câncer de cavidade oral no Brasil nos últimos 5 anos

Fundamentação/Introdução

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (2016), foram registrados, no ano de 2016, 11.140 casos novos de câncer da cavidade oral em homens e 4.350 em mulheres no Brasil. Esse diagnóstico tem sido realizado tardiamente, o que tem contribuído para os altos índices de morbimortalidade dessa doença e para eleição de terapêuticas mais agressivas.

Objetivos

Caracterizar o perfil de mortalidade por câncer de cavidade oral no Brasil, no período entre 2012 e 2017.


Delineamento/Métodos

Estudo transversal, descritivo e retrospectivo construído através de dados obtidos na plataforma DATASUS. Foram utilizadas as variáveis: número de internamentos, tempo médio de permanência hospitalar, faixa etária, taxa de mortalidade, óbitos, caráter do atendimento sexo e cor/raça, analisadas em um recorte de 5 anos (2012-2017).

Resultados

De janeiro de 2012 a maio de 2017, ocorreram 140.688 internações no Brasil por câncer de cavidade oral, sendo 72,6% do sexo masculino e 27,4% do sexo feminino. Cerca de 44% dos pacientes internos eram brancos, seguidos pelos 32,4% pardos. A faixa etária mais acometida foi a dos 50-59 anos - 29,5%. A média de permanência para ambos os sexos no Brasil foi de 6 dias, sendo o estado do Pará o de maior média - 14,3. No Brasil, o número total de óbitos foi de 16.235, com cerca de 51% apenas na região Sudeste, seguida da região Nordeste, com 20%. entre os pacientes internados, 11,02% dos brancos, 13,55% de cor preta, 11,82% dos pardos, 11,57% de cor amarela e 3,33% dos indígenas vieram a óbito. A taxa de mortalidade foi de 11,54 a cada 1000 habitantes e após o primeiro ano de vida ela aumentou de acordo com a faixa etária, sendo a dos pacientes acima de 80 anos igual a 18,96/1000 habitantes. A região Norte apresentou a maior taxa de mortalidade, 14,21%, enquanto a menor esteve no Nordeste, 10,25%. Em todas as regiões, a taxa de mortalidade foi maior no sexo masculino. Cerca de 46% dos atendimentos foram feitos em caráter eletivo, e 54% em urgência.

Conclusões/Considerações finais

Diante do quadro de gravidade advindo do câncer de cavidade oral, evidencia-se a necessidade de investimentos na área a fim de mudar o curso dessa doença, que atinge de forma tão grave principalmente uma população ativa e produtiva. Dessa forma, além de diminuir o impacto na saúde pública, a resolubilidade a partir de abordagens terapêuticas mais eficazes seria capaz de reduzir o prognóstico atual, permitindo desfechos mais favoráveis.

Palavras Chaves

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Universitário Professor Alberto Antunes - Alagoas - Brasil, Universidade Federal de Alagoas - Alagoas - Brasil

Autores

Paula Fernanda Neves Silva, Willyam Barros Saraiva, Rayssa Alves Leite, Beatriz Fernandes Brêda, Arthur Henrique Brêda Filho

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017