Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Encefalomielite Disseminada Aguda (ADEM) Como Complicação Neurológica da Dengue - Relato de Caso

Fundamentação/Introdução

A Encefalomielite Disseminada Aguda (ADEM) é uma doença desmielinizante do Sistema Nervoso Central (SNC), pós infecciosa, geralmente viral, podendo ocorrer, também, após vacinas. As doenças mais comuns relacionados com ADEM são: sarampo, rubéola, caxumba, varicela, dengue e zika.
A ADEM se manifesta por volta do 7º ao 14º dia de infecção, cursa com cefaleia, afasia, alterações do nível de consciência e sensório, distúrbios motores, sensitivos, urinários, visuais e de marcha. A fisiopatologia desta doença ainda não é bem explicada, mas acredita-se ser uma infecção imunomediada e não uma infecção viral direta do SNC.
O diagnóstico é corroborado por exames complementares como análise do líquor e Ressonância Magnética de crânio (RM). A RM comumente evidenciam múltiplas lesões da substância branca, mais localizadas em córtex e áreas do tálamo. As lesões neurológicas tendem a diminuir e até desaparecer nos casos favoráveis, sendo acompanhadas pela RM de crânio a cada 6 meses.
A Síndrome de ADEM decorrente da dengue é uma complicação rara, assim como a Síndrome de Guillain Barrè, alterações neuromusculares e acidentes vasculares cerebrais.
O tratamento visa desacelerar a resposta inflamatória e é realizado na maioria das vezes com corticoterapia endovenosa. Um bom prognóstico depende de uma abordagem precoce.

Objetivos

Avaliar critérios diagnósticos para ADEM e ressaltar a importância do diagnóstico e tratamento precoces impactando assim diretamente na recuperação do paciente.

Delineamento/Métodos

Relato de Caso

Resultados

Mulher, branca, 40 anos, apresentando quadro de parestesias em dimídio direito, dificuldade de deambulação e turvação visual cerca de 5 dias após quadro viral de dengue, confirmado por sorologia. Foi realizado TC de crânio que não evidenciou alterações e solicitado RM de crânio que evidenciou inflamação difusa de substância branca, confirmando o diagnóstico de Síndrome de ADEM. Foi realizado tratamento por pulsoterapia com metilprednisolona, que se estendeu com prednisona oral, com boa evolução clínica.

Conclusões/Considerações finais

O conhecimento da Síndrome de ADEM torna-se necessário para o início precoce da terapêutica, evitando-se sequelas neurológicas. Observa-se recuperação clínica mais rápida nos pacientes com o início de altas doses de corticosteróides e o emprego de imunoglobulina endovenosa. A plasmaférese pode ser indicada em casos refratários a terapia inicial. Mesmo com o uso da medicação adequada a ADEM apresenta índices de mortalidade que giram em torno de 5-20%.

Palavras Chaves

ADEM, desminielização, dengue

Área

Clínica Médica

Autores

NARA TEXEIRA BARBOSA, ELDER MACHADO SARMENTO, RAFAELLA PINTO FERRAZ, LAÍS MAURICIO OLIVEIRA ALMEIDA DE FREITAS, SULA MARIE LOUIS DOS SANTOS

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017