Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Glomeurulonefrite Membranoproliferativa Crescêntica Mediada por Imunocomplexos: Relato de Caso

Fundamentação/Introdução

Síndrome Hemolítico Urêmica atípica (SHUa),não associada à Escherichia coli, produtora de Shiga toxina, é vista em 5% a 10% dos casos de Síndrome Hemolítico Urêmica (SHU), podendo ocorrer em qualquer idade. O entendimento da patogênese dessa variante - hiperativação da via alternativa do complemento - permitiu novas formas terapêuticas eficazes.

Objetivos

Relatar caso de paciente com diagnóstico final de glomerulonefrite membranoprolferativa (GNMP) com evolução favorável após uso de Eculizumab.

Delineamento/Métodos

Como trata-se de relato de caso, a descrição substitui metodologia e resultados.

Resultados

D.P.S, masculino, 7 anos, iniciou com quadro de edema facial e de membros inferiores, evoluindo para oligúria e hematúria durante internação hospitalar. Exames da internação mostravam creatinina 10,9 mg/dL, uréia 286 mg/dL, anemia e plaquetopenia. O paciente evolui com hiperpotassemia e sendo necessária diálise de urgência. Nos exames laboratoriais proteinúria em amostra de 761,2 mg/dL, creatinúria de 143 mg/dL, FAN negativo, C3 90 mg/dL e C4 40 mg/dL, com hemoglobina 7,9 g/dL, DHL 1136 U/L, haptoglobina 30mg/dL, esquizócitos no sangue periférico. Frente a suspeita diagnóstica de SHUa foram iniciadas infusões de plasma e foi quantificada a atividade da ADAMTS 13, a qual resultou normal (84%). A seguir foi iniciada a infusão de eculizumab (anticorpo monoclonal anti-C5) acompanhada de profilaxia com amoxacilina-clavulanato e imunizado com vacina polivalente para meningococo. Houve melhora progressiva da função renal com subsequente estabilização do quadro clínico. A biópsia renal que demonstrou padrão de GNMP crescêntica com depósitos subendoteliais e transmembrana de IgG, Kappa e Lamba. A análise genética subsequente detectou uma variante heterozigótica de significado incerto (c.3495T>A (p.His11656Gln) no sequenciamento do gene que codifica o fator H do complemento (CFH). A variante não havia sido previamente descrita, mas pelas características foi considerada provavelmente benigna. O tratamento com eculizumab foi interrompido após melhora e o paciente se apresenta assintomático e com exames laboratoriais estáveis.

Conclusões/Considerações finais

No presente caso eculizumab foi utilizado frente a um diagnóstico presuntivo de SHUa, subsequentemente identificado como GNMP mediada por imunocomplexos, corroborando a efetividade do anticorpo monoclonal anti-C5 em distúrbios do complemento como SHUa e hemoglobinúria paroxística noturna, assim como em GNMP mediada por complemento (glomerulopatia C3 ou doença do depósito denso).

Palavras Chaves

Síndrome hemolítico urêmica atípica; SHUa; glomerulonefrite membranoprolferativa; GNMP; eculizumab;

Área

Clínica Médica

Autores

Mateus De Mamann Vargas, Raíra Marodin de Freitas, Marina Lago Lengert, Eduarda Silva, Maristela Böhlke

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017