Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL NO PERÍODO DE 2010 A 2015 NO ESTADO DO TOCANTINS - BRASIL

Fundamentação/Introdução

A leishmaniose visceral pode ser considerada uma antropozoonose, quando o homem entra em contato com o ciclo de transmissão do parasito. Dada a sua incidência e alta letalidade, principalmente em indivíduos não tratados, imunodeprimidos e crianças desnutridas, torna-se uma das doenças mais importantes da atualidade.

Objetivos

Analisar o perfil epidemiológico da Leishmaniose Visceral (LV) no estado do Tocantins, no período de 2010 a 2015.

Delineamento/Métodos

Trata-se de um estudo descritivo, retrospectivo, de abordagem quantitativa, realizado a partir da análise dos casos de LV notificados no Tocantins, no período de 2010 a 2015, utilizando dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde. As variáveis analisadas foram faixa etária (menor que 1 ano, 1-4 anos, 5-9 anos, 10-14 anos, 15-19 anos, 20-29 anos, 30-39 anos, 40-49 anos, 50-59 anos, 60-69 anos, 70-79 anos, 80 anos e mais, idade ignorada), sexo (masculino e feminino), município de infecção e ano de notificação.

Resultados

Nos anos de 2010 a 2015, foram notificados 1869 casos confirmados de LV no Tocantins, com uma média de 311,5 casos por ano. Destes, a maioria (504 casos) ocorreu no ano de 2011, com um aumento de 39,61% comparado ao ano anterior. De 2011 para 2012, no entanto, ocorreu um decréscimo de 31,55%. A faixa etária de 1-4 anos foi a mais acometida, com 563 casos (30,12%). Os indivíduos de 9 anos ou menos foram afetados em mais da metade das ocorrências (54,15%). 1096 registros foram do sexo masculino (58,64%), enquanto 773 foram do sexo feminino (41,36%). Os municípios com maior número de infecções foram Araguaína e Palmas, com 607 (32,48%) e 161 (8,61%) casos, respectivamente.

Conclusões/Considerações finais

Notou-se que a LV no Tocantins, no período de 2010 a 2015, afetou mais indivíduos do sexo masculino e foi predominante na faixa etária de 1-4 anos, dados que corroboram com a literatura vigente sobre o assunto. A LV teve significativo acometimento em indivíduos com idade igual ou menor que 9 anos. As cidades com maior número de infecções foram Araguaína e Palmas. 2011 consistiu no ano com maior número de casos notificados. Esses dados demonstram a necessidade de reforçar as políticas públicas de prevenção e diagnóstico precoce da LV no estado.

Palavras Chaves

Leishmaniose visceral; Tocantins; Aspectos epidemiológicos.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal do Tocantins - UFT - Tocantins - Brasil

Autores

Jenyffer Ribeiro Bandeira, Marilísia Mascarenhas Messias, Wenderson Soares Cordeiro, Lucas Aguiar Oliveira, Paula Fleury Curado

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017