Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇÃO DO RISCO DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO E INDICAÇÃO DE PROFILAXIA EM PACIENTES CLÍNICOS INTERNADOS, ATRAVÉS DO ESCORE DE PÁDUA

Fundamentação/Introdução

Introdução: O tromboembolismo venoso (TEV) é a causa de morte prevenível mais comum em pacientes hospitalizados, sendo as profilaxias medicamentosa e mecânica os modos mais efetivos de prevenção. Uma das escalas utilizadas na avaliação de risco de TEV é o Escore de Pádua, importante para padronizar a conduta em relação à profilaxia nesses pacientes.

Objetivos

Objetivo: Avaliar o risco de TEV e a indicação de profilaxia em pacientes clínicos internados, através do Escore de Pádua.

Delineamento/Métodos

Método: Foi realizado um estudo observacional transversal, com uma amostra de 38 pacientes internados nas enfermarias de clínica médica e nas Unidades de Terapia Intensiva de um hospital municipal em João Pessoa-PB. Realizou-se uma análise descritiva dos dados retirados de prontuários e informações adicionais foram obtidas por meio de entrevista com os avaliados, sendo as variáveis coletadas adicionadas ao Escore de Pádua.

Resultados

Dos pacientes avaliados, 27 (71%) foram classificados em alto risco para TEV, 5 (13%) em baixo risco para TEV e 6 (16%) faziam uso de enoxaparina em doses plenas, por indicação médica. Os fatores de risco mais recorrentes foram mobilidade reduzida em 31 pacientes (82%), infecção aguda ou desordem reumatológica em 25 (66%) e insuficiência cardíaca ou respiratória em 24 (63%). Os demais fatores de risco apresentaram-se em menor proporção, exceto TEV prévio e condição trombofílica conhecida, não pontuados nos pacientes avaliados. Dos 27 pacientes com alto risco, 21 (78%) faziam uso de profilático de enoxaparina 40 mg/dia e 3 (11%) de heparina não fracionada 5000 UI 12/12h. Ainda, 3 (11%) não faziam profilaxia, apesar do alto risco de apresentarem eventos tromboembólicos. Do total de 27 pacientes em alto risco de TEV, portanto, 24 (89%) faziam uso da quimioprofilaxia adequada.

Conclusões/Considerações finais

Embora pareça evidente a necessidade da prevenção de TEV em todo e qualquer paciente clínico hospitalizado com alto risco, a utilização de profilaxia adequada ainda está aquém do recomendado pelo Escore de Pádua. Desse modo, urge tornar a avaliação de risco de TEV mais fácil, padronizada e alinhada com a rotina hospitalar, a fim de decidir sobre as opções mais adequadas e eficientes de profilaxia para os pacientes em risco. Os esforços de implementação precisam, pois, ser contínuos para garantir a adequação da profilaxia de TEV e a segurança de todos os pacientes clínicos hospitalizados.

Palavras Chaves

Palavras-chave: Anticoagulantes. Heparina. Tromboembolia venosa.

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Municipal Santa Isabel - Paraiba - Brasil

Autores

Alberto de Sousa Videres Filho, Taciana Uchôa Passos, Laís Henriques de Oliveira, Lucas Nascimento Diniz Teixeira, Maria Alenita de Oliveira

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017