Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CRISE RENAL ESCLERODÉRMICA: RELATO DE CASO COM DESFECHO DESFAVORÁVEL

Fundamentação/Introdução

Introdução: A crise renal esclerodérmica (CRE) é complicação rara e potencialmente fatal da esclerose sistêmica (ES), com surgimento nos primeiros 4 anos de doença. Afeta cerca de 10% dos portadores de ES, sobretudo na forma cutânea difusa (ESCD), com mortalidade em torno de 30% ao ano. Caracteriza-se por hipertensão arterial maligna, insuficiência renal progressiva, hemólise microangiopática, trombocitopenia e encefalopatia hipertensiva. O uso de inibidores da enzima conversora da angiotensina (IECA) é pilar do tratamento.

Objetivos

Objetivo: Relatar desfecho desfavorável de CRE em paciente portadora de ESCD, com diagnóstico auxiliado por biópsia renal.

Delineamento/Métodos

.

Resultados

Descrição do caso: A.L.M.S., feminino, 41 anos, divorciada, aposentada, tabagista, diagnóstico de ESCD há 3 anos, em acompanhamento reumatológico, foi internada com confusão mental, náuseas, vômitos e hipertensão arterial. Exame físico: regular estado geral, torporosa, hipocorada, afebril, pele hiperpigmentada e difusamente espessa; ritmo cardíaco regular, taquicárdica, PA 200x100mmHg, pulmões com murmúrio vesicular reduzido globalmente. Exames laboratoriais: creatinina 4,46mg/dL, ureia 127mg/dL, anemia (Hb 6,9g/dL) e plaquetopenia (81.000/mm3); alterações estas ausentes nos exames realizados há 3 meses. Iniciada hemodiálise e, pela suspeita de CRE, prescrito IECA. A biópsia renal evidenciou na microscopia de luz, em glomérulos, endoteliose, mesangiólise, oclusão por trombos de fibrina, irregularidades da membrana basal compatíveis com isquemia. Em arteríolas e artérias interlobulares, redução do lúmen devido a espessamento mucóide com leiomiofibroblastos, e focalmente, trombos sobrepostos. Observado áreas com aspecto de “bulbo de cebola”. Túbulos com células necróticas na luz e membrana basal desnuda, compatível com lesão isquêmica, secundária à lesão vascular. Depósitos de imunocomplexos ausentes. Os achados caracterizam microangiopatia trombótica e a associação com a clínica permite concluir que o quadro é secundário à esclerodermia. Paciente recebeu alta hospitalar em bom estado geral. No entanto, após 7 dias, apesar das medicações otimizadas e da hemodiálise, foi novamente internada com hipertensão arterial, vômitos, cefaléia, amaurose e convulsões; evoluindo para óbito a despeito do tratamento.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: A CRE, apesar de incomum, é causa relevante de morbidade e mortalidade na ES. Este caso ressalta a importância do acompanhamento clínico rigoroso desses pacientes, especialmente pressão arterial e função renal.

Palavras Chaves

crise renal esclerodérmica; esclerodermia difusa; esclerose sistêmica; inibidores da enzima conversora da angiotensina

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade de Uberaba - Minas Gerais - Brasil, Universidade Federal do Triangulo Mineiro - Minas Gerais - Brasil

Autores

Valeria Catarine Nunes Borborema, Naiara Duarte Santiago Donegá, Maria Luíza Gonçalves dos Reis Monteiro, Katyara Rodrigues Fagundes, José Walison Mainart Júnior

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017