Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Hemorragia Digestiva Alta em testemunhas de Jeová, um relato de caso.

Fundamentação/Introdução

A hemorragia digestiva alta em pacientes testemunhas de Jeová é um verdadeiro desafio clinico, afinal, para o paciente, sua ideologia se sobrepõe ao tratamento de primeira escolha. Tal situação gera um dilema ético, principalmente quando existe risco de vida, momento em que o uso de hemoderivados é de extrema importância para prognóstico favorável. Têm-se uma situação, em que, por um lado o médico deve assegurar o dever da beneficência, em contrapartida, deve-se, também, assegurar-lhe o direito à autonomia. (Jonsen AR, 1986).

Objetivos

Relatar o caso de um paciente testemunha de Jeová, com suspeita de hemorragia digestiva alta secundária a anticoagulante, demonstrando o desafio clínico que constitui o tratamento de um paciente que possui princípios deontológicos e ético-jurídicos que se sobrepõe à sua necessidade terapêutica.

Delineamento/Métodos

Paciente, ZJM, 60 anos, masculino, portador de fibrilação atrial crônica e megaesôfago chagásico, previamente assintomático, foi admitido na unidade de emergência com história de mal estar e vertigem iniciado às 12:00 horas do mesmo dia, evoluindo às 21:00 horas com lipotimia, sudorese e episódios de melena em grande monta. Nega febre, náuseas, vômitos e dor abdominal. Faz uso de marevan 2,5 mg e amiodarona 200 mg. Relata episódio semelhante associado ao uso de marevan em março e dezembro de 2016. Ao exame laboratorial sua hemoglobina de 4,3g/dL despertava a preocupação do plantonista. Nesse momento, o paciente apresentava-se ao exame físico descorado +++/IV, levemente taquipneico, Tensão Arterial 108 x 79 mmHg, sob noradrenalina concentrada a 10 ml/hora. Paciente evoluiu com piora dos níveis hematiméticos, porém recusou administração de hemoderivados. A despeito de plena ciência da gravidade do quadro e risco de morte seguiu sob uso de droga vasoativa para controle pressórico.

Resultados

Apesar de não ter sido realizado a transfusão de hemoderivados, o paciente evoluiu após 14 dias de internação, com melhora dos índices hematimétricos e estabilidade hemodinâmica, recebendo alta.

Conclusões/Considerações finais

O caso relatado traz à luz a discussão da importância das vias alternativas do tratamento de escolha para hemorragias digestivas, nesse caso, a transfusão de hemoderivados. Vale ressaltar que o paciente em questão apesar de apresentar risco de vida, obteve um desfecho favorável sob tratamento conservador, dessa forma, o profissional soube respeitar a autonomia do paciente sem ferir o princípio da beneficiência.

Palavras Chaves

Hemorragia digestiva alta;Testemunha de Jéova

Área

Clínica Médica

Autores

Jamille De Araújo Cardoso, Jéssica Aparecida Azevedo Salvador, Monique Brito Azevedo, Maria Ellen Araújo Castro, Zenilton Lima Guimarães

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017