Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Fístula aortocameral em adulto: Relato de Caso

Fundamentação/Introdução

As fístulas aortocamerais são raras anomalias do coração. Podem ser congênitas ou adquiridas. As fístulas congênitas são diagnosticadas na proporção de 1:500 em estudos cinecoronariográficos. Os pacientes podem ser assintomáticos ou apresentarem com sintomas dispneia, angina ou arritmia.

Objetivos

Relatar o caso de uma paciente com fístula aorta-ventrículo direito através do seio coronariano direito e as complicações pós cirurgia para correção.

Delineamento/Métodos

Relato de Caso.

Resultados

Paciente do sexo feminino,42 anos,com história de dispneia aos moderados esforços, tosse seca e palpitação, iniciados em 2006. Feito ecocardiograma transtorácico que evidenciou aneurisma de seio de valsava direito com sinais de ruptura para átrio e ventrículo direitos. Realizado cineangiocoronariografia que evidenciou fistula aorto-ventrículo direito através de seio coronariano direito, com presença de salto oximétrico entre átrio direito e ventrículo direito, caracterizando shunt esquerda - direita nesta cavidade. Foi submetida à cirurgia para correção da fístula, evoluindo no pós-operatório com ritmos cardíacos variáveis, tendo o diagnóstico de Síndrome Bradicardia-Taquicardia. Não foi possível o controle com drogas antiarrítmicas, sendo implantado marcapasso definitivo. Paciente evoluiu bem e assintomática, recebendo alta com ritmo de flutter atrial, com anticoagulação oral.

Conclusões/Considerações finais

As fístulas aortocamerais são raros canais vasculares extra cardíacos. Os pacientes podem ser assintomáticos ou se apresentarem com: insuficiência cardíaca, angina pectoris, infarto agudo do miocárdio.A radiografia de tórax e o eletrocardiograma podem ser normais. Portanto, o ecocardiograma e o cateterismo cardíaco são necessários para o diagnóstico, sendo este último o padrão ouro.O tratamento varia de acordo com a repercussão da doença, podendo ser realizado por cateterismo cardíaco com fechamento por balão destacável. Porém, o tratamento cirúrgico deve ser sempre considerado levando em conta o tipo da fístula, calibre, tortuosidade, calcificação, curso e relação dos óstios coronários com o orifício aórtico da fístula. O resultado cirúrgico é muito satisfatório, com morbi-mortalidade muito baixa. As complicações do pós-operatório mais descritas na literatura,são infarto agudo do miocárdio e recanalização da fístula. No presente caso a paciente apresentou uma fístula aortocameral, sendo submetida a correção cirúrgica, evoluindo no pós-operatório com arritmias variáveis.

Palavras Chaves

Fístula aortocameral, aorta-ventrículo direito, Síndrome Bradicardia-Taquicardia

Área

Clínica Médica

Instituições

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTONIO MORAES - Espirito Santo - Brasil

Autores

Ludmilla Ventura Lirio, Stella de Souza Carneiro, Carla Almeida Rodolfo, Leticia Toso Alves, Jobert Kaiky da Silva Neves

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017