Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Glomerulopatia Membranosa secundária a hemocromatose e hipotireoidismo: relato de caso.

Fundamentação/Introdução

Introdução: A hemocromatose é uma doença caracterizada pelo aumento da absorção intestinal de ferro, levando a um acúmulo deste em diversos órgãos e tecidos, podendo ocasionar lesão celular e tecidual, fibrose e insuficiência funcional. Consequências endocrinológicas como hipotireoidismo são raras e surgem mais associadas à sobrecarga de ferro pós-transfusional. Em decorrência desse hipotireoidismo a taxa de filtração glomerular é reduzida em aproximadamente 30%. Além disso, o ferro desempenha um papel na progressão da insuficiência renal em pacientes com proteinúria.

Objetivos

Objetivo: Relatar o caso de um paciente portador de Síndrome Nefrótica secundária a hemocromatose e hipotireoidismo.

Delineamento/Métodos

Descrição de caso: EPS, 67 anos, sexo masculino, hipertenso, encaminhado para serviço de nefrologia com queixa de edema progressivo evoluindo para anasarca, dispneia grau IV e dor em joelho direito por 9 meses, em uso de medicação diurética e para insuficiência cardíaca (Espironolactona, Furosemida, Carvedilol e Captopril). Paciente foi internado para investigação clínica de cardiopatia e nefropatia, sendo solicitado hemograma, função renal e hepática e exames de imagem. Os exames evidenciaram hormônio tireoestimulante 87,67mU/L e tetraiodotironina livre de 0,55mg/dl, sendo iniciado tratamento com Levotiroxina. Apresentava ainda proteinúria de 24h de 9448mg, sendo realizado biópsia renal compatível com Glomerulopatia Membranosa.

Resultados

Após 3 meses paciente volta a ser internado para realização de pulsoterapia com Ciclofosfamida. Durante esse período foi realizado o perfil do ferro que revelou saturação de transferrina de 79% e ferritina sérica de 2026,4 ng/mL, devido a essas alterações foi solicitado Ressonância Nuclear Magnética que exibiu sinais de acúmulo de ferro no parênquima do fígado 260(+/-50)mol/g e do baço, confirmando o diagnóstico de Hemocromatose. Na revisão da lâmina de biopsia renal foi solicitado coloração adicional para ferro não-hemínico com o azul da Prússia (Reação de Perls) com que se evidenciou marcação citoplasmática positiva em células tubulares renais.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: A manifestação renal por síndrome nefrótica associada ao hipotireoidismo na Hemocromatose é uma condição pouco frequente, porém com graves repercussões a saúde, tendo como tratamento efetivo a resolução da causa base da patologia. Pacientes não tratados normalmente morrem de insuficiência cardíaca ou arritmias, insuficiência hepatocelular ou carcinoma hepático.

Palavras Chaves

Síndrome Nefrótica; Hemocromatose; Hipotireoidismo.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal de Alagoas - Alagoas - Brasil

Autores

Renata Torres de Andrada Ferraz, Vanessa Garcia Gomes, Laís Rosa Farias Magalhães, Jéssyca Andrade Leite, Rafael Fernandes Vanderlei Vasco

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017