Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Hipertensão Arterial Sistêmica Secundária: A Importância do Hiperaldosteronismo Primário como Diagnóstico Diferencial

Fundamentação/Introdução

O hiperaldosteronismo primário (HAP) é uma situação clínica decorrente de produção inapropriadamente elevada de aldosterona, resultando em hipertensão de difícil controle e, em um pequeno percentual dos casos, hipocalemia. É classicamente causado por adenoma adrenal e hiperplasia uni ou bilateral e responde por parte dos casos de hipertensão secundária.

Objetivos

Relatar caso de hiperaldosteronismo primário por adenoma suprarrenal bilateral e seu desfecho clínico. 

Delineamento/Métodos

Paciente de 48 anos, sexo feminino, com queixa de hipertensão há 5 anos refratária a esquemas anti-hipertensivos. Associado ao quadro, relata astenia, fraqueza muscular e cãibras frequentes. Sem comorbidades prévias. Exame físico normal, exceto hipertensão 150x86 mmHg. Achados laboratoriais: atividade de renina plasmática 0,1ng/mL/H; aldosterona 92,9 ng/dL; potássio 2,5 mEq/L.

Resultados

Achados radiológicos à tomografia de abdome com contraste: dois nódulos hipodensos, com realce pós-contraste nas fases arterial e portal e wash out na fase de equilíbrio, medindo 25x21mm na haste lateral da glândula suprarrenal direita e 16x8 mm no corpo da suprarrenal esquerda. Optado por conduta clínica com espironolactona 100 mg/dia, com involução completa do quadro e normalização dos níveis de pressão arterial e de potássio.

Conclusões/Considerações finais

Estima-se que entre 22,3% a 43,9% da população brasileira tenha hipertensão arterial (HA) – número com tendência crescente, devido ao envelhecimento populacional. A HA secundária tem prevalência de 3-5%, sendo o HAP prevalente em 6,1% dos hipertensos. Embora seja uma etiologia menos comum de hipertensão, o HAP deve ser sempre pesquisado em casos de difícil controle e hipocalemia espontânea ou causada por baixas doses de diuréticos. O diagnóstico precoce diminui o risco cardiovascular, podendo a cura ser alcançada em um percentual substancial de pacientes hipertensos. Cerca de 9-37% dos pacientes cursam com hipocalemia no HAP, com maior chance de ocorrência nos casos de diagnóstico tardio - compatível com o presente relato. Ao diagnóstico sindrômico, deve-se prosseguir com diferenciação em adenoma e hiperplasia, uma vez que a conduta é distinta. Em casos com doença renal bilateral ou em que o tratamento cirúrgico não esteja indicado, o tratamento clínico com antagonista da aldosterona é recomendado.

Palavras Chaves

Hiperaldosteronismo primário; hipertensão arterial secundária; síndrome de Conn; adenoma suprarrenal.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade de Brasília - Distrito Federal - Brasil

Autores

Isabella Brant de Moraes Palmeirão Alvarenga, Lucas Frizon Greggianin, Julio Cezar Gonçalves Cordeiro dos Santos, Amanda Silva Peres, João Carlos Geber Júnior

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017