Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CIRCUNFERÊNCIA CERVICAL COMO INDICADOR DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM REMANESCENTES DE QUILOMBOS NO ESTADO DE SERGIPE

Fundamentação/Introdução

Introdução: Os remanescentes de quilombos são frequentemente acometidos por doenças cardiovasculares (DCV), e mais precisamente pela hipertensão arterial sistêmica (HAS), associado com o sobrepeso e obesidade. Nesse contexto, a circunferência cervical (CC) surge como parâmetro promissor para avaliação do risco DCV.

Objetivos

Objetivos: Avaliar a CC como um parâmetro preditivo da hipertensão arterial sistêmica em indivíduos remanescentes de quilombos.

Delineamento/Métodos

Métodos: Trata-se de estudo transversal, quantitativo, realizado com 72 indivíduos residentes em comunidades quilombolas do município de Capela denominadas de Pirangy, Canta Galo e Terra Dura, localizadas no estado de Sergipe, região nordeste do Brasil. Foram coletados dados através da aferição da pressão arterial sistêmica de forma sistemática e seguindo a preconização da Sociedade Brasileira de Hipertensão (2016). Foi mensurado a CC, logo abaixo da cartilagem tireóidea, e estabelecidos como limites numéricos para circunferência elevada os valores ≥ 39,0 cm e ≥ 35,0 cm para homens e mulheres, respectivamente. Para análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico Stata, versão 14. Os dados foram apresentados em porcentagens e desvio padrão (DP). Os critérios de inclusão foram pessoas cadastradas como quilombolas residentes das comunidades de Capela, com idade > 18 anos. Os critérios de exclusão: Pessoas não cadastradas como quilombolas, membros superiores amputados, bócio e gestantes.

Resultados

Resultados: A média de idades nas três comunidades variou de 56,5% - 34,22% - 41,64% (DP:18,31, DP:14,35, DP:14,33). Em relação à pressão arterial, foi identificado que o sexo feminino representou 54,55% dos hipertensos e os homens 45,5%. A média da pressão arterial sistólica foi 136,86% - 123,17% - 121,37% e da pressão arterial diastólica 84,1% - 79,61% e 77,48% de cada comunidade supracitada respectivamente. A média da circunferência cervical foi de 36% - 34,68% - 36,37% para as comunidades, apresentando 55% de maior risco cardiovascular o sexo feminino, destas, 40% já são hipertensas. Percebe-se que a elevação da CC está diretamente relacionado com o desencadeamento da HAS, que é uma das doenças cardiovasculares.

Conclusões/Considerações finais

Conclusões: O presente estudo apresentou valores não elevados para hipertensão e valores significamente elevados para a circunferência cervical. Desta forma, o sexo feminino tem uma maior predisposição para as doenças cardiovasculares, e pode ser agravado quando o percentual de gordura corpórea for elevado.

Palavras Chaves

Avaliação nutricional; Doenças Cardiovasculares; Grupo com Ancestrais do Continente Africano.

Área

Clínica Médica

Autores

Louise Náder Santos Silva, Beatriz Costa Todt, Deyse Mirelle Souza Santos, Cristiane Costa Cunha Oliveira, Marcos Antonio Almeida Santos

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017