Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Estrongiloidíase Pulmonar em paciente imunocompetente

Fundamentação/Introdução

As doenças pulmonares eosinofílicas apresentam-se com eosinofilia acometendo os pulmões. Podem ser de difícil diagnóstico, por serem pouco frequentes.

Objetivos

Relato de caso incomum em paciente imunocompetente.

Delineamento/Métodos

Paciente D.S., 69 anos, previamante diabético tipo II e DPOC, foi admitido no dia 10/07/17, devido a dor, cianose, pulsos não palpáveis em membro inferior esquerdo(MIE). Submetido a amputação a nível de coxa esquerda, recebido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com murmúrios vesicular presentes bilateralmente com presença de sibilos. Paciente com importante carga tabágica, por 50 anos e TEP prévio há 02 anos.
No 1º PO paciente evoluiu taquidispneico, com persistência de sibilos. Iniciado moxifloxacino com melhora da leucocitose e padrão de ventilação. No 3º PO, paciente recebeu alta da UTI, com persistência dos sibilos na ausculta pulmonar(AP). Ao rx de tórax apresentava uma opacidade em ápice direito. No dia 16/07/2017, recebeu alta com antibiótico para casa.
Paciente retorna ao serviço no dia 17/07/2017, devido frieza, flictema e edema em membro inferior direito, associado a dispneia importante. À AP apresentava sibilos difusos e estertores em ápice direito. Nos exames laboratoriais foi encontrado PCR elevada, neutrofilia e eosinofilia importante. Optou-se por iniciar Tazocin, e além disso, foram realizadas medidas para broncoespasmo. Na Tomografia Computadorizada de tórax, notou-se redução do volume do lobo superior do pulmão direito com destruição arquitetural, associado a atelectasia, bronquiectasias e cavitações, que sugeriam alteração crônica, associadas a componente infeccioso. Após 2 dias, sem melhora clínica, foi ampliado esquema com Meropenem, porém, o paciente evoluiu com piora do padrão respiratório , sendo encaminhado para UTI. Foram solicitadas 3 amostras BAAR e hemocultura, todas negativas. Foi coletada secreção traqueal que apresentou pseudo-hifas e parasitas sugestivos de Strongyloides stercoralis, além de crescimento de germes gram-negativos em cultura. Com esses achados, foi confirmada Síndrome de Löefler. Iniciou-se Ivermectina e Albendazol, além de Vancomicina e Voriconazol. Foi solicitado também teste para HIV, com resultado negativo. Após 7 dias de tratamento houve melhora significativa da eosinofilia, porém, paciente evoluiu com instabilidade hemodinâmica e insuficiência renal aguda. Manteve neutrofilia e PCR elevado

Resultados

Sd. de Loefler requer alta suspeição para diagnóstico.

Conclusões/Considerações finais

Caso é relevante por acometer paciente imunocompetente.

Palavras Chaves

síndromes-hipereosinofílicas, estrongiloidíase-pulmonar

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Evangélico de Londrina - Parana - Brasil

Autores

Leonardo Giovanini Rossetto, Raquel Ferreira Nassar Frange, Luiz Fernando Kunii, Raphael Donadio Pitta, Jamile da Cota Riechi

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017