Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

"Percepção dos estudantes de Medicina sobre Protocolo de Morte Encefálica e doação de órgãos"

Fundamentação/Introdução

O desconhecimento sobre o Protocolo de Morte Encefálica e doação de órgãos faz com que o diagnóstico não seja realizado de maneira satisfatória, o que pode levar a perda de órgãos do doador, agravando ainda mais as filas de transplantes. Além disso, os profissionais que não possuem a capacitação adequada realizam a abordagem aos familiares de maneira incorreta que, por conseguinte, compromete a decisão em relação à doação dos órgãos, visto que a família nem sempre possui conhecimento sobre o assunto. Estudos demonstram que a percepção dos estudantes de Medicina sobre o Protocolo e doação de órgãos ainda são insuficientes, o que influencia no despreparo dos profissionais posteriormente. Frente a essa conjuntura, justifica-se a urgência em avaliar o entendimento dos estudantes do internato sobre o assunto, visto que a aquisição de competências e habilidades nessa área depende de um aparato teórico-prático adquirido na formação acadêmica.

Objetivos

A finalidade desse estudo é avaliar o grau de conhecimento a respeito de Protocolo de Morte Encefálica e doação de órgãos entre os internos do curso de Medicina da cidade de Aracaju.

Delineamento/Métodos

Trata-se de um estudo exploratório, transversal e de abordagem quantitativa aplicado entre os estudos da Universidade Tiradentes e da Universidade Federal de Sergipe, através de um questionário validado e adaptado pelos pesquisadores. Os dados foram analisados e correlacionados com outros estudos.

Resultados

Cerca de 50% da amostra não sabem sobre a necessidade de comunicação compulsória em casos de morte encefálica. Mais de 90% de todos os alunos de ambas as universidades desconhecem os critérios de diagnóstico de morte encefálica em sua totalidade, e em torno de 40% não têm sequer conhecimentos sobre a obrigatoriedade de exames complementares e ainda, um pouco mais de 90% desconhecem quais sejam esses exames. Os internos de Medicina são a favor da doação de órgãos, declarar-se-iam doadores, entretanto quase 50% deles não comunicaram às suas respectivas famílias o seu desejo.

Conclusões/Considerações finais

Ainda que se valorize as questões que envolvam a doação de órgãos, os internos saem despreparados e sem conhecimentos suficientes. Os cursos de Medicina da cidade de Aracaju não estão, em sua grade curricular, dando atenção que o tema morte encefálica carece frente a sua importância e os internos saem das universidades desconhecendo o protocolo que favorece as doações de órgãos de possíveis doadores.

Palavras Chaves

percepção, estudantes de medicina, doação de órgãos, morte encefálica.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal de Sergipe - Sergipe - Brasil

Autores

Jandson da Silva Lima, Déborah Mônica Machado Pimentel, Milenna Guimarães Lima, Rafael Ferreira Barreto, Victória Santos Oliveira


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017