Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESCLEROSE SISTÊMICA COMPLICADA COM CARCINOMA PULMONAR DE GRANDES CÉLULAS – RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A esclerose sistêmica (ES) parece cursar com risco aumentado de neoplasias, especialmente do pulmão.

Objetivos

Descrever um caso de carcinoma pulmonar de grandes células diagnosticado concomitantemente à ES.

Delineamento/Métodos

D.A.D.L, feminina, 46 anos, queixava-se de tosse seca há 5 anos, recorrente e tratada como quadro alérgico. Há 2 meses notou dispneia progressiva associada a artralgia generalizada, astenia, perda de 5kg e fenômeno de Raynaud. Uma tomografia (TC) de tórax evidenciou múltiplos nódulos sólidos pulmonares < 1,5cm e padrões intersticiais. Foi encaminhada ao Hospital Universitário (HU), em regular estado geral, taquidispneica, saturação de O2 95% com cateter de O2 2L/min, descorada 2+/4+, afebril, com fácies esclerodérmica (microstomia e xerostomia), esclerodactilia, e estertores crepitantes finos bilaterais e sibilos difusos à ausculta pulmonar. Relatava hipotireoidismo há 10 anos. Negava tabagismo. Pai e irmã tinham “lupus”.

Resultados

Os exames (FAN 1:640 nucleolar, anti-Scl70 positivo, anti-RO positivo) foram compatíveis com ES diagnosticada durante a internação. Uma nova TC de tórax no HU mostrou múltiplos nódulos sólidos pulmonares, linfonodomegalias difusas e espessamento dos septos interlobulares. A pesquisa de sitio primário de neoplasia (mamas, pelve, abdome) foi negativa. Evoluiu com choque séptico de foco pulmonar e óbito após 19 dias internada. A biopsia pulmonar evidenciou carcinoma pulmonar de grandes células com linfangite carcinomatosa.

Conclusões/Considerações finais

Há relatos de risco aumentado de câncer em pacientes com ES, sendo que o câncer de pulmão (CP) responde por 1/3 dessas neoplasias, mas tal associação ainda é controversa devido à baixa prevalência (1,4% dos pacientes com ES entre 48 e 63 anos) e à reduzida sobrevida. Em um estudo, mesmo com screening, o diagnóstico mais precoce de CP em pacientes com ES não se associou a aumento da sobrevida. São possíveis fatores de risco para CP em pacientes com ES: doença pulmonar prévia, anticorpo anti-Scl70 positivo e tabagismo (embora o risco pareça estar aumentado mesmo em não-tabagistas). O carcinoma broncoalveolar pulmonar é o tipo histológico mais comum, mas nos últimos estudos parece estar aumentando a incidência de adenocarcinoma em mulheres com ES; o menos comum é o CP de pequenas células. Aqui, relatamos uma paciente com diagnóstico concomitante de ES e CP de grandes células, com evolução rápida e fatal. Não temos conhecimento de nenhum outro relato dessa associação.

Palavras Chaves

Esclerose sistêmica; Neoplasia pulmonar; Carcinoma pulmonar de grandes células.

Área

Clínica Médica

Autores

Larissa Marion Grande Cavalhero, Isabela Maria Bertoglio, Maisa Monseff Rodrigues Da Silva, Raquel Nasser Frange, Leandro Arthur Diehl

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017