Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Diagnóstico diferencial de dor, paresia e parestesia de membro superior (MS): Relato de caso de Síndrome do desfiladeiro torácico em homens.

Fundamentação/Introdução

A síndrome do desfiladeiro torácico (SDT) é uma patologia rara e infrequente no sexo masculino (1:9) que resulta da compressão de estruturas neurovasculares na base do pescoço e axila resultando em sintomas neurológicos, como paresia e parestesia e também sintomas vasculares como, trombos.o diagnóstico se dá por meio da analise de imagem, entre elas a radiografia de tórax, que identifica anormalidades ósseas na região do triangulo do escaleno e no espaço costoclavicular, e Doppler orientado por ultrassom. Os testes provocativos de compressão vascular também são usados para sugerir o diagnóstico da síndrome.

Objetivos

Destacar a importância da síndrome do desfiladeiro torácico como diagnóstico diferencial de paresia e parestesia e dor em MS em homens.

Delineamento/Métodos

Descrição de caso clínico

Resultados

S.C.C., 54 anos, sexo masculino, melanodérmico, operador de máquinas pesadas, sem antecedentes patológicos de relevo, refere dor intermitente em ombro e membro superior esquerdo (MSE) associada à parestesia do quarto e do quinto dedos da mão ipsilateral. Relata também paresia do membro, que quando associada à parestesia dos dedos causa intenso incômodo. Realizado no dia 03/08/2017 o duplex scan da artéria subclávia esquerda cujo laudo foi sugestivo de compressão de artéria subclávia, sugerindo SDT. No exame físico nota-se atrofia da região hipotenar da mão esquerda, ombros assimétricos e rodados internamente, contratura do músculo trapézio, aparente hipotrofia de supra e infra espinhoso do lado esquerdo quando comparado com o lado contralateral e Testes provocativos de Roos e Adson positivos.

Conclusões/Considerações finais

A síndrome do desfiladeiro torácico apesar de rara deve estar entre os diagnósticos diferenciais a serem pensados quando a queixa do paciente se pauta em dor, paresia e parestesia de apenas um MS. O diagnóstico da patologia é essencialmente clínico e para isso conta com o auxílioda realização de manobras como Adson, hiperabdução, costoclavicular,teste dos 3 minutos. Por não haver um exame padrão-ouro, é importante a realização de exames como o Ecodoppler de subclávia ou Tomografia Computadorizada (TC) ou Ressonancia Magnética (RM) ou arteriografia ou venografia para consolidar o diagnóstico e assim poder oferecer ao paciente o tratamento mais adequado para a sintomatologia citada.

Palavras Chaves

Síndrome do desfiladeiro torácico, SDT, dor crônica, paresia, parestesia,

Área

Clínica Médica

Instituições

Santa Casa de BH - Minas Gerais - Brasil

Autores

Luiza Toledo Soares, Maria Cláudia Miranda Resende, Lívia Damaso Albuquerque, Ana Clara Ali Alvarenga, Rafaela Rabelo Maciel

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017