Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Análise dos fatores de retardo ao atendimento ao infarto agudo do miocárdio com Supra de ST (IAMCSST) em comparação com o gênero: experiência de uma rede pública em Salvador – Bahia

Fundamentação/Introdução

A maioria das mortes por infarto agudo do miocárdio ocorrem no ambiente extra-hospitalar, sendo 40-65% na primeira hora do início dos sintomas e 80% nas 24h iniciais. Retardos no atendimento ao IAMCSST são indicadores ou marcadores de qualidade dos serviços de saúde.

Objetivos

Analisar os principais fatores responsáveis pelo retardo no diagnóstico e tratamento dos pacientes portadores de IAMCSST em relação ao gênero.

Delineamento/Métodos

Trata-se de uma coorte prospectiva e observacional de seguimento pré e intra-hospitalar no período de 01 de janeiro até 31 de dezembro de 2015. Foram analisados: o tempo para reconhecimento e busca do atendimento médico (TRBA); o tempo para realização do 1º traçado eletrocardiográfico (TECG); o tempo de transporte da unidade de emergência para o centro de referência (TTCR); e o tempo porta-balão (TPB). Em relação as metas para os tempos, ficou preconizado os seguintes pontos de corte: TRBA ≤ 120 min; TECG ≤ 10 min; TTCR ≤ 120 min; TPB ≤ 120 min, inspirando-se em metas preconizadas em diretrizes mundiais e registros clínicos.

Resultados

Dos 133 pacientes, 85 eram do sexo masculino (63.9%) e 48 (36%) do sexo feminino; a média de idade e IMC entre os sexos masculino e feminino foi de 56.3 e 60.5 anos para o primeiro e de 26 e 27.7 Kg/m² para o segundo. Diabetes e baixa escolaridade foram mais prevalentes no sexo feminino do que masculino, com significância estatística: 20 (48.8%) vs 18 (26.1%) com P = 0.01 e 26 (54.2%) vs 28 (32.9%) com P = 0.04, respectivamente. IAMCSST Killip classe I foi mais prevalente no sexo masculino: 93 (86.1%) vs 12 (63.2%) casos com P = 0.01, e a realização de trombólise com tendência para o mesmo sentido: 17 (20%) vs 4 (8.3%) e P = 0.07.

Conclusões/Considerações finais

Neste estudo, evidenciou-se que pacientes portadores de IAMCSST do sexo feminino, apresentaram uma prevalência significativamente maior de diabetes e de baixo nível de escolaridade, além de uma maior proporção de IAM complicados (Killip classe ≥ II), assim como, uma maior probabilidade de obter metas de tempos para reconhecimento e busca de atendimento e realização do primeiro eletrocardiograma.

Palavras Chaves

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal da Bahia - Bahia - Brasil

Autores

André Rodrigues Durães, Luiz Carlos Santana Passos, Ivan Mattos de Paiva Filho, Yasmin de Souza Lima Bitar, Ana Carolina Trindade Freitas


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017