Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

DOENÇA RENAL POLICÍSTICA AUTOSSÔMICA DOMINANTE COM ACOMETIMENTO HEPATORRENAL: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

A Doença Policística Renal Autossômica Dominante (DPRAD) compreende uma patologia caracterizada pela formação e crescimento progressivo de cistos renais bilaterais, que geralmente culminam em Doença Renal Terminal (DRT). É uma doença de grande e negativo impacto clínico e socioeconômico, tendo sua prevalência mundial estimada em 1:1000 habitantes. Ocorre por mutações nos genes PKD1 ou PKD2. É assintomática na maioria dos casos, mas diversas manifestações clínicas renais e extrarrenais podem ocorrer, além de comorbidades, com destaque para a Hipertensão Arterial Sistêmica. A doença hepática policística é a manifestação extra-renal mais comum. Até o momento não existe tratamento específico.

Objetivos

Relatar caso de paciente ambulatorial hipertensa com achado heterogêneo à palpação em região de flancos. Solicitada TC de abdome, confirmando DRPAD com acometimento hepatorrenal.

Delineamento/Métodos

As informações foram obtidas através de pesquisa bibliográfica e revisão de prontuário médico.

Resultados

M.L.D., sexo feminino, 68 anos, natural e residente de Campos dos Goytacazes/RJ, hipertensa há 15 anos. Em acompanhamento ambulatorial de rotina, apresentava-se assintomática. Ao exame: bom estado geral, corada, hidratada, acianótica, anictérica. PA = 140x110 mmHg.FC = 88 bpm. RCR em 2T, BNF, sem sopros. MV universalmente audível, sem ruídos adventícios. Abdome atípico, depressível, indolor, com massa heterogênea palpável em região de flancos, bilateralmente. Laboratório: Hg: 12,8, Ht: 36%, Leuc: 6400, Plaquetas: 200.000, Cr: 2,0, Uréia: 70. Solicitada TC de abdome, evidenciando múltiplos cistos de diferentes tamanhos em topografia renal (Figura 1) e hepática (Figuras 2 e 3), diagnosticando DRPAD com acometimento hepático concomitante.

Conclusões/Considerações finais

A DRPAD é uma doença geneticamente heterogênea que pode resultar em falência renal, em 50% dos pacientes, por volta dos 60 anos, Corresponde a cerca de 6-10% dos pacientes em hemodiálise e 10% dos transplantes renais. Os aspectos clínicos incluem as manifestações renais e extrarrenais, sendo o envolvimento hepático o mais comum. A hipertensão de difícil controle é reconhecida como um fator de risco para complicações cardiovasculares, que são a causa de morte mais comum nesses pacientes. Para o diagnóstico, as técnicas de ultrassonografia, TC e RNM abdominal são empregadas. A terapia atual disponível para a DRPAD é voltada à limitação de morbimortalidade das complicações da doença.

Palavras Chaves

Área

Clínica Médica

Autores

LUISA WAGNER DO REGO BARROS, RAFAEL CHACAR LIMA

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017