Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Dermatomiosite amiopática com lesões cutâneas refratárias, associada ao anticorpo antimelanoma de diferenciação associado ao gene 5: relato de caso

Fundamentação/Introdução

A dermatomiosite é uma condição clínica na qual o acometimento inflamatório muscular leva a elevada morbidade e mortalidade quando inadequadamente tratada. Acomete crianças e adultos, sendo imperativa a identificação de características associadas a um pior prognóstico, impactando nas decisões terapêuticas e na evolução dos pacientes.

Objetivos

Relatar um caso de paciente portadora de Dermatomiosite amiopática (DMA) associada ao Anticorpo antimelanoma de diferenciação associado ao gene 5 (anti-MDA-5).

Delineamento/Métodos

Relato de caso.

Resultados

SSCF, 19 anos, feminina, branca, previamente hígida, apresentando há 3 meses: oligoartrite em mãos e pés; lesões exantemáticas em áreas fotoexpostas; heliótropo; pápulas de Gottron; rash palmar sugestivo de vasculite; alopecia; intenso fenômeno de Raynaud e febre. Força muscular proximal e distal preservada nos quatro membros. Perfil laboratorial, incluindo fator antinuclear (FAN) e anti-histidil-tRNA sintetase (anti-Jo-1), sem alterações; Creatinofosfoquinase, eletroneuromiografia dos quatro membros, tomografia de tórax e ecocardiograma sem alterações. Investigação para neoplasia negativa. Capilaroscopia com padrão scleroderma pattern (SD). O caso foi conduzido como DMA, sendo tratado com glicocorticoide, azatioprina e hidroxicloroquina. Evoluiu com piora das lesões cutâneas e vasculíticas, ulcerações e edema em mãos e face, porém sem envolvimento pulmonar, sendo associado metotrexato. Foi realizada a pesquisa do anticorpo anti-MDA-5, sendo este positivo. Devido à manutenção e ao agravamento das lesões cutâneas e vasculíticas, associado ao potencial envolvimento pulmonar grave, optou-se pela terapia com imunoglobulina e metotrexato, com melhora importante inicial. Paciente evoluiu posteriormente com piora acentuada das lesões vasculíticas. Optou-se por suspender o tratamento com metrotrexato, sendo iniciado ciclofosfamida associado à imunoglobulina.

Conclusões/Considerações finais

A DMA associada ao anticorpo anti-MDA-5 tem sido relacionada a uma frequência aumentada de ulcerações cutâneas, digitais e edema das mãos, além de doença pulmonar intersticial de evolução mais agressiva, piorando o prognóstico da doença. O diagnóstico desta condição permite identificar pacientes que podem evoluir com complicações mais graves, permitindo uma abordagem terapêutica precoce.

Palavras Chaves

Dermatomiosite amiopática; doenças do colágeno; prognóstico

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus Macaé - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

ALLINE RODRIGUES DA SILVA, FLÁVIO RIBEIRO PEREIRA, VICTOR CAIRES TADEU, MARIA LAURA BARBIN LUCAS, LUANA FRAGA TORRES DE OLIVEIRA

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017