Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Hipertensão de difícil manejo secundária a Feocromocitoma: Relato de caso

Fundamentação/Introdução

Os feocromocitomas são tumores do sistema nervoso simpático ou parassimpático produtores de catecolaminas. Os tumores podem surgir esporadicamente ou serem componentes da neoplasia endócrina múltipla tipo 2 ou outras síndromes. O diagnóstico é identificado em 0,1% dos pacientes hipertensos e constitui uma causa potencialmente corrigível da hipertensão. A apresentação clínica é variável, incluindo desde um incidentaloma suprarrenal até uma crise hipertensiva com complicações vasculares. Em 95% dos casos, o tumor encontra-se na cavidade abdominal.

Objetivos

Relatar o caso de uma paciente, tratada como hipertensa há muitos anos, apresentando sintomas recorrentes e sugestivos de hipertensão secundária.

Delineamento/Métodos

Paciente sexo feminino, 58 anos, hipertensa há 15 anos dá entrada no PA queixando-se de sudorese intensa, vômitos, palpitação e síncope, cianose e frieza nas extremidades há 03 dias. Refere episódios prévios dos sintomas, insônia persistente associado a humor lábil e ansiedade. Apresentava-se com pressão arterial: 200x140mmHg, frequência cardíaca 80bpm, agitada, hipofonese de bulhas associada a sopro sistólico em foco aórtico e mitral grau 3+/6+; extremidades com pulsos finos, diaforese e frias.

Resultados

Paciente admitida em hospital e sendo aventada possibilidade de Feocromocitoma foram solicitados exames para confirmar doença: Catecolaminas e frações plasmáticas: Epinefrina: 27365 pg/dL, Norepinefrina: 30 pg/dL, Dopamina: 170 pg/dL; Metanefrinas e frações urinárias: Normetanefrina: 12358,6 mcg/24h, Metanefrina: 152,7 mcg/24h, Ácido Vanil Mandélico: 52,2 mg/24h. Ressonância de abdome: formação expansiva no rim esquerdo hipointensa em T1 e hiperintensa em T2 com realce pelo contraste medindo 6,1 cm no maior diâmetro de aspecto neoplásico. Paciente encaminhada a cirurgia para nefrectomia total esquerda, evoluindo sem complicações e com melhora dos sintomas e pressão arterial.

Conclusões/Considerações finais

O feocromocitoma é um tumor raro e de elevada mortalidade, sendo maligno em cerca de 10% dos casos. A paciente apresentava alguns sintomas clássicos de hiperatividade adrenérgica. O diagnóstico laboratorial é sugestivo ao se encontrar valores altamente elevados nas dosagens das metanefrinas e normetanefrinas urinárias, sendo mandatória a localização da massa tumoral, através de exames de imagem. A base do tratamento consiste na ressecção em bloco do tumor.

Palavras Chaves

Feocromocitoma; Hipertensão secundária

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Bahia - Brasil

Autores

André Victor Queiroz Borges de Melo, Kleber Neves de Oliveira, Klecius Daniel de Carvalho Aguiar, Bartira Rezende Ramos

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017