Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Doença de Devic: Resposta à plamaférese com recuperação da visão e dos movimentos

Fundamentação/Introdução

Neuromielite Óptica (NMO – Doença de Devic), é uma síndrome inflamatória, desmielinizante e autoimune do sistema nervoso central rara, caracterizada classicamente pela associação, simultânea ou sequencial, de mielite aguda e neurite óptica. Ao exame laboratorial, identificada através do autoanticorpo antiaquaporina 4, relativamente comum em raças não–brancas, mulheres, em idades precoces na forma monofásica. Como a apresentada no relato de caso, que cursa com eventos temporalmente mais próximos entre si e os surtos são mais severos, embora a longo prazo apresentem boa recuperação funcional.
Somente com diagnóstico precoce e tratamento imediato, haverá prevenção secundária das recorrências e seus déficits neurológicos.

Objetivos

Relatar caso de neuromielite óptica que respondeu ao tratamento com plasmaférese.

Delineamento/Métodos

Relato de caso, consentido.

Resultados

Mulher, 22 anos, parda, proveniente e natural da Venezuela, estudante e nuligesta. Q.P: “perdi a visão do OD”
Admitida no hospital no dia 08/03/2017, com histórico de doença de Devic há 6 anos, com presença de crises convulsivas com intervalo de 3 meses. Relata que durante a 2° crise teve perda súbita da visão do OE. Cerca de 3 meses após, paciente manifestou hemiparesia e hemiparesteria à E, internada, recebeu o diagnóstico de NMO, confirmada por RNM, apresentando mielite transversa em 3 segmentos vertebrais, anticorpos NMO positivo e fundoscopia alterada.
Há 1 semana, evoluiu com alterações visuais do OD, descontrole esfincterianos, dificuldade e dores para locomoção. Ao exame neurológico, OE midriático, pupilas fotorreagentes, força em MMII grau 2, MMSS grau III. Reflexo patelar grau IV, Babinski presente, Hoffmann ausente e sem alterações de pares cranianos. Recebeu o tratamento com metilprednisolona 1g por 5 dias, seguida de 1mg/kg de prednisona oral por 1 mês; com melhora parcial da visão, indicada plasmaférese. Após 4 sessões de plasmaférese, teve melhora da visão e da movimentação dos MMII. No dia 29/04, paciente recebeu alta hospitalar, com melhora dos movimentos e crises convulsivas, orientada a fazer seguimento com neurologista.

Conclusões/Considerações finais

Portanto, fica claro que em casos refratários as elevadas doses de esteroides e na presença de déficits neurológicos severos, o tratamento com Plasmaférese de 5-7 vezes (segunda linha de tratamento) durante um período de 2 semanas, se faz essencial para possível resolução do quadro, como nesse caso, os sintomas foram revertidos, com recuperação parcial da visão do OE e movimentação de MMII.

Palavras Chaves

Neuromielite óptica; Plasmaférese; Doença de Devic;

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Geral de Roraima - Roraima - Brasil, Universidade Federal de Roraima - Roraima - Brasil

Autores

Brenda Santos Gonçalves, Dkaion Vilela de Jesus, Shelysdon Silva Martins, Estela Luiza Teixeira Muniz, Jérula Katherine Lima de Oliveira

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017