Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HISTIOCITOSE DE CELULAS DE LANGERHANS EM ADULTO

Fundamentação/Introdução

Introdução: A histiocitose de células de Langerhans é um distúrbio histiocítico raro, caracterizado por proliferação e acumulação anormais de células de Langerhans imaturas, juntamente com macrófagos, linfócitos e eosinófilos. A infiltração pode ocorrer em quase todos os órgãos. Acredita-se que a origem desses histiócitos seja uma célula dendrítica mieloide que expressa os antígenos CD1a e CD207 como a célula de langerhans da pele. É mais comum em crianças de 1 a 3 anos, sendo de 3 a 5 casos por milhão em crianças e de 1 a 2 casos por milhão em adultos. A doença pode se manifestar localmente ou acometer vários órgãos, e o quadro clínico dependerá do grau de disfunção dos órgãos acometidos. O diagnóstico pode ser feito pelo exame histológico das lesões ou por estudo imuno-histoquímico. O tratamento consiste desde intervenção local em casos em que há apenas um órgão acometido, até o uso de quimioterápicos e corticoide na apresentação multissistêmica.

Objetivos

Objetivos: relatar o caso de uma paciente com diagnostico de Histiocitose de Células de Langerhans, de modo a evidenciar os desafios diagnósticos encontrados, a apresentação atípica desse caso e o desfecho após inicio da terapêutica instituída.

Delineamento/Métodos

Descrição do Caso: CRO, 29 anos, sexo feminino, iniciou com dor muscular generalizada, prostração, perda de peso. Tratada por sepse de foco pulmonar inicialmente. Evoluiu com linfonodomegalia generalizada, diarreia aquosa persistente, turvação visual e diplopia, midríase bilateral, parestesias em mãos, esplenomegalia dolorosa, hepatomegalia, anemia normocítica e normocrômica.

Resultados

Exames laboratoriais evidenciaram FAN 1:80 pontilhado fino, proteinuria subnefrotica, LDH e beta 2 microglobulina inicialmente elevados, sorologias negativas. Realizada biopsia linfonodal com resultado inicial inconclusivo e posterior elucidação por imunohistoquímica com achados compatíveis de Histiocitose de Células de Langerhans. Iniciada quimioterapia com Vimblastina e Prednisona com melhora importante do quadro e paciente permaneceu em seguimento com Oncologia

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: a Histiocitose de Células de Langerhans é rara e quando acomete adultos, geralmente espera-se envolvimento de um único órgão e curso mais indolente, ao contrario do caso relatado. Logo evidencia-se a dificuldade diagnostica dessa entidade clinica em adultos, justificada pela variada gama de manifestações clinicas inespecíficas, ausência de marcadores séricos e diagnostico basicamente histológico e por imuno-histoquímica.

Palavras Chaves

Histiocitose, Langerhans, células, histiócitos

Área

Clínica Médica

Autores

Vinicius Costa Gomes, Livia Sarquis Botrel, Thaisa Fátima Costa, Anna Carolina Soares

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017