Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

GRAVIDEZ EM PACIENTE RENAL CRÔNICA EM PROGRAMA DE HEMODIÁLISE

Fundamentação/Introdução

Doença renal crônica (DRC) corresponde a uma lesão renal com perda progressiva e irreversível de sua função. Está relacionada com a diminuição da fertilidade, alterações nos ciclos menstruais e anovulação, principalmente quando creatinina sérica (C) encontra-se acima de 2,0 mg/dL. A taxa de concepção em pacientes submetidas à diálise de longa duração foi estimada em 0,5%. É frequente o diagnóstico tardio da gestação pela irregularidade do ciclo, retardando a instituição dos cuidados pré-natais.

Objetivos

Relatar caso raro de gravidez em paciente com DRC em regime de hemodiálise.

Delineamento/Métodos

Informações obtidas por meio de prontuário médico, livro texto e revisão de literatura.

Resultados

Mulher, 21 anos, negra, G1P1A0, admitida em pronto socorro com quadro de desorientação, vômitos, dispneia, oligúria e urina de odor fétido. Ao exame físico apresenta grave estado geral, murmúrio vesicular diminuído em ambas as bases pulmonares e crepitação difusa em todo o tórax. Ao estudo laboratorial: uréia 217 mg/dL; C 23 mg/dL; potássio 5,1 mmol/L; lactato 44,3 mg/dL; hemoglobina 10.2 g/dL; hematócrito 33.2%; leucócitos 19.820 mm3; gasometria ph 7,01, HCO3 13,3 mEq/L, pC02 53,2 mmHg, pO2 57,5 mmHg, base excess: -18, e diurese de 200 ml\24hs. A Ultrassonografia (USG) evidenciou rins tópicos e textura difusamente heterogênea. Concluindo tratar-se de DRC de etiologia indeterminada, agudizada por sepse urinária, foi instituída hemodiálise de emergência e início de piperacilina e tazobactam por 10 dias. Após alta hospitalar, foi submetida à confecção cirúrgica de fístula arteriovenosa em membro superior esquerdo, fazendo seguimento em centro especializado e realização de hemodiálise, com necessidade de 10 transfusões sanguíneas ao longo do tratamento. Após 11 meses do início da hemodiálise, houve a suspeita de gravidez pela paciente, sendo confirmada por USG obstétrica, constando gestação tópica, com feto único vivo, de 19 semanas e 5 dias, batimentos cardiofetais presentes. Gestação sem intercorrência. Realizado parto normal prematuro, com ausência de complicações.

Conclusões/Considerações finais

Nefropatia anterior à concepção, aumenta significativamente as taxas de complicações maternais e perinatais, com gestação classificada de alto risco. Recomenda-se a realização de 20 ou mais horas semanais de hemodiálise para minimizar os efeitos da uremia. É importante o acompanhamento multidisciplinar, início de pré-natal precoce e controle rigoroso clínico\materno, com valorização dos exames complementares, objetivando gestação a termo.

Palavras Chaves

Doença renal crônica; gestação; hemodiálise; síndrome urêmica; concepção;

Área

Clínica Médica

Instituições

UNESC - Espirito Santo - Brasil

Autores

Larah Colombi Calmon Pitanga, Lara Maria Vago, Bruna Luisa Ferraço Lima, Marcelo Trigo Martinez, Manuela Almeida Freitas de Castro

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017