Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CHOQUE CARDIOGÊNICO EM DECORRÊNCIA DA TROMBOSE AGUDA DE STENT EM PACIENTE JOVEM

Fundamentação/Introdução

Introdução: A trombose aguda de stent, ocasionada em consequência de uma intervenção percutânea em coronária, apesar de infrequente (< 0,7%), incorre em alta gravidade, pois pode levar a uma síndrome coronariana aguda, e até a óbito. É definida como uma piora da estenose inicial do vaso, com fluxo distal TIMI (Thrombolysis in Miocardial Infarction) 0, independente de outras manifestações, ou TIMI 1 ou 2, acompanhado de angina ou alterações isquêmicas no eletrocardiograma (ECG), em um vaso previamente pérvio (fluxo TIMI 3), durante ou imediatamente após angioplastia.

Objetivos

Objetivos: Análise clínica dos principais fatores predisponentes e avaliação da gravidade do quadro

Delineamento/Métodos

Relato de caso

Resultados

CASO: A. L. C. P., 47 anos, masculino, casado, engenheiro, em consulta de acompanhamento. Tinha um histórico de ingesta hipercalórica, carga tabágica de 40 anos-maço e sedentarismo. Ao exame físico apresentava níveis pressóricos elevados (160x100mmHg) em ambos os MMSS e IMC de 38kg/m². O ECG evidenciou ritmo sinusal e alterações difusas da repolarização ventricular. Solicitados os exames laboratoriais, ecocardiograma (eco) e cintilografia do miocárdio (MIBI). Como conduta foi iniciado perindopril 10mg. O eco mostrou hipertrofia ventricular esquerda e FE de 69%. Exames laboratoriais: Glicemia de jejum 137mg/dL, Hb glic 6,8%, triglicérides 379mg/dL, LDLc 115mg/dL, creatinina 1,17mg/dL; MIBI com extensa hipoperfusão transitória ântero septal (16%); Foi iniciado ciprofibrato 100mg, metformina 500mg e AAS 100mg; Cinecoronariografia (cine) apresentou-se com lesão de 70% no terço médio da descendente anterior (DA) e lesão de 70% no terço médio da coronária direita (CD). Dessa forma, foi realizado implante de stents convencionais. Quatro horas após o procedimento, o paciente iniciou com dor precordial intensa e sudorese profusa. Foi realizado ECG que mostrou supradesnivelamento do segmento ST ínfero lateral e BAV 2:1. Nova cine mostrou oclusão de stent em CD com trombos e DA pérvia. O paciente evoluiu com choque cardiogênico refratário ao tratamento, evoluindo a óbito após 6 horas.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão: Trata-se de uma apresentação clinica de alta mortalidade, corroborando com a literatura sobre sua gravidade. Os principais fatores de risco para trombose aguda de stent: interrupção precoce da terapia antiplaquetária dupla (AAS e clopidogrel), sexo masculino, pacientes com lesão renal, diabetes mellitus, tabagismo e pacientes com fração de ejeção ventricular baixa (< 30%).

Palavras Chaves

choque cardiogênico; trombose aguda; stent

Área

Clínica Médica

Autores

Letícia Andrade Santos, Samir Idaló Júnior, Gabriela Ferreira Cunha, Fernanda Beatriz Ferreira Souza, Iasmin Rodrigues Paula e Silva

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017