Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Esôfago Negro: um relato de caso

Fundamentação/Introdução

Necrose esofágica aguda, comumente designada por esôfago negro ou esofagite necrotizante aguda (ENA), é uma condição clínica rara caracterizada pela coloração enegrecida do esôfago que corresponde à necrose da mucosa. Não há estudos randomizados até o momento.

Objetivos

Relatar caso de paciente com múltiplas comorbidades que apresentou Esôfago Negro.

Delineamento/Métodos

Homem, 55 anos, com antecedentes de Cirrose Hepática e Pancreatite Crônica relacionados a abuso de álcool, trombose de veia porta, Diabetes mellitus (DM), Hipertensão Arterial, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e Doença Renal Crônica (DRC) não dialítica. Relato de 15 dias com hiporexia, dor epigástrica, aumento do volume abdominal e febre. Admitido com queixa de hematêmese seguida de melena, sendo diagnosticado Cetoacidose Diabética (CAD) associada à peritonite bacteriana espontânea, piora da função renal e Hemorragia Digestiva Alta (HDA). Endoscopia Digestiva Alta demonstrou esôfago com necrose circunferencial da mucosa de terços médio e inferior, adquirindo aspecto enegrecido em vários pontos. Evolução favorável após tratamento com Inibidor de Bomba de Próton (IBP) endovenoso, antibioticoterapia de largo espectro, expansão volêmica com albumina e medidas para controle da CAD. O controle endoscópico evidenciou resolução da necrose e ausência de estenose esofágica após 4 semanas.

Resultados

ENA é uma forma grave de esofagite aguda, com predomínio em esôfago distal. Apresenta etiologia multifatorial resultante da combinação entre hipoperfusão tecidual, comprometimento das barreiras de proteção e influxo maciço de conteúdo gástrico. Os principais fatores de risco incluem: sexo masculino, idade avançada, DM, malignidade de órgãos sólidos e hematológicos, desnutrição, insuficiência renal, comprometimento cardiovascular, trauma e fenômenos tromboembólicos. O diagnóstico é feito pela visualização endoscópica da mucosa negra. A apresentação clínica pode incluir HDA manifesta como hematêmese, dor epigástrica, vômitos, disfagia, febre, náuseas e síncope. A complicação mais grave é a ruptura do esôfago com mediastinite.

Conclusões/Considerações finais

Esôfago negro é uma afecção incomum, caracterizada endoscopicamente por necrose da mucosa deste órgão, geralmente poupando a vertente gástrica da junção esofagogástrica, podendo causar HDA. O tratamento inclui terapia com IBP e sucralfato, além de corrigir as condições clínicas. O prognóstico depende da idade do paciente e das doenças coexistentes, mas taxas elevadas de mortalidade são relatadas.

Palavras Chaves

Necrose esofágica aguda; Esôfago negro; Esofagite necrotizante aguda; Hemorragia Digestiva Alta.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal de Viçosa - Minas Gerais - Brasil

Autores

Kamila Silva Marins Chamon, Alessandro Lisboa da Silva, Isabela de Sousa Russo, Isabela Silva de Sousa, Ludmila Godinho Figueiredo

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017