Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Enxaqueca hemiplégica familiar com hemianestesia permanente

Fundamentação/Introdução

A Enxaqueca Hemiplégica Familiar (EHF) é um subtipo incomum de enxaqueca com aura, de caráter autossômico dominante e penetração variável. Sua prevalência estimada é de 0,01%, sendo as mulheres mais afetadas e a faixa etária em que os sintomas se iniciam compreendida entre 12 e 17 anos. O diagnóstico depende de critérios estabelecidos na terceira Classificação Internacional de Cefaleias (2014), entretanto é aceito que déficits neurológicos permanentes ocorram ocasionalmente.

Objetivos

Descrever um caso de EHF com apresentação distinta, em que o déficit sensitivo não regrediu, com o objetivo de despertar a atenção de especialistas para casos atípicos.

Delineamento/Métodos

Mulher, 48 anos, admitida com quadro de mal-estar, seguido de sensação de "cabeça vazia", lentificação de pensamento, cefaleia hemicraniana à direita, pulsátil e de forte intensidade. Evoluiu com perda de consciência transitória seguida de desorientação têmporo-espacial, sonolência, hemiparesia à esquerda e afasia.
Relatava duas crises prévias semelhantes e outras crises mais brandas com frequência de até 3 vezes ao ano. Em uso de AAS e sinvastatina, devido suspeita diagnóstica de acidente vascular cerebral isquêmico. Na ocasião da primeira crise, há 4 anos, permaneceu com hemiparesia à esquerda por cerca de 9 meses com reversão gradual e hemianestesia à esquerda sem melhora até o presente momento. Trazia exames de neuroimagem realizados nos últimos 4 anos para elucidação diagnóstica, sem alterações. Na história familiar, referia que o pai e um irmão apresentavam episódios análogos.
Ao exame neurológico, apresentava desvio de rima e língua para o lado esquerdo, hemiparesia (membro superior esquerdo força motora grau II e membro inferior esquerdo força motora grau I) e hemianestesia à esquerda. Reflexos simétricos e preservados. Tomografia computadorizada (TC) de crânio foi solicitada e não evidenciou alterações, bem como exames laboratoriais.

Resultados

Diante do diagnóstico de EHF, foi encaminhada ao ambulatório de Neurologia para seguimento, sendo prescrito verapamil e ácido valproico. Evoluiu com melhora gradativa da fala e déficit motor, sem retorno das crises até o presente momento.

Conclusões/Considerações finais

A falta de conhecimento médico pode levar a displicência e desqualificação das queixas do paciente. Tendo em vista que o diagnóstico é eminentemente clínico, é imperativo que uma boa anamnese seja realizada diante de quadros semelhantes a fim de se evitar iatrogenias.

Palavras Chaves

Hemiplegia.Transtornos de enxaqueca. Enxaqueca com aura. Genética.

Área

Clínica Médica

Autores

Aline Bonora Oliveira, Vanessa Carvalho Lago, Jorge Fernando Miranda Pereira, Wilson Gonçalves Silva Junior, Guiomar Nascimento Oliveira

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017