Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Colangite Esclerosante em Portador de Paracoccidioidomicose: Relato de Caso

Fundamentação/Introdução

Paracoccidioidomicose (PCM) é a micose sistêmica de maior prevalência do Brasil. A PCM possui duas formas de apresentação típicas. A forma aguda ocorre por disseminação reticulo-endotelial e seu quadro clínico inclui sintomas constitucionais inflamatórios e disfunção de medula óssea. A forma crônica cursa frequentemente com acometimento pulmonar isolado. Colangite Esclerosante Primária (CEP) é uma condição de etiologia indefinida caracterizada por inflamação e fibrose de ductos biliares intra e extra-hepáticos, na ausência de fatores causais diretos.

Objetivos

Relatar um caso com associação entre duas condições incomuns no nosso meio.
Sugerir a possibilidade de associação entre ambas as condições

Delineamento/Métodos

Revisão de prontuário médico, exames laboratoriais e de exames de imagem.

Resultados

Descrição do Caso: Paciente de 21 anos, do sexo masculino referido à instituição com quadro de adenomegalia generalizada, astenia, febre, tosse, perda ponderal importante por 6 meses, evoluindo com colestase há 15 dias. Foi diagnosticado com Paracoccidioidomicose pelo exame histopatológico de linfonodo retroauricular e Colangite Esclerosante Primária por Colangiorressonância e CPRE. O tratamento da PCM foi realizado com Itraconazol com resposta satisfatória e regressão clínica e radiológica dos quadros de PCM e CEP.
Resultados/Discussão: A PCM é causadora de icterícia por diversos mecanismos bem descritos na literatura; no entanto, a coexistência de Colangite Esclerosante como fator de colestase nesses pacientes ainda não foi descrita. Com o tratamento da PCM houve regressão completa do quadro clínico e radiológico de Colangite Esclerosante, levando à suspeição de que ambas as condições pudessem estar relacionadas.

Conclusões/Considerações finais

A colestase em pacientes com PCM ocorre por diversos mecanismos fisiopatológicos bem descritos. Colangite Esclerosante ainda não foi descrita em pacientes com PCM apresentando colestase. A presença de Colangite Esclerosante ao momento do diagnóstico e a melhora do quadro após a regressão da PCM pode indicar possível associação entre ambas as doenças.

Palavras Chaves

Área

Clínica Médica

Instituições

Faculdade de Medicina de Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Felipe Medauar Reis de Andrade Moreira, Gabriella Tittone Machado de Araújo, Felipe Bittencourt de Almeida Pedrosa, Bruna Amado Ramos, Cláudia Correia Gorini

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017