Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Adenite mesentérica simulando apendicite aguda: Relato de caso

Fundamentação/Introdução

Introdução A adenite mesentérica é uma síndrome relativamente rara, considerada quando um grupo de três ou mais linfonodos medindo pelo menos 5 mm está presente no mesentério do quadrante inferior direito do abdome. A causa mais frequente é a infecção intestinal por Yersinia enterocolítica.

Objetivos

Objetivo O objetivo desse trabalho é demonstrar o desafio diagnóstico quando estamos diante de um quadro de adenite mesentérica por infecção gastrointestinal, mimetizando um abdome agudo como apendicite aguda.

Delineamento/Métodos

Descrição do Caso Paciente T.M.S., feminina, 29 anos, natural do Rio de Janeiro, deu entrada na emergência do Hospital com quadro de dor abdominal periumbilical de forte intensidade, migrando para fossa ilíaca direita, associado a febre e diarréia de 5 episódios ao dia, sem sangue ou muco. Ao exame físico, encontrava-se em regular estado geral. Abdome flácido, doloroso a palpação difusamente, descompressão dolorosa em fossa ilíaca direita e peristalse aumentada. Em avaliação conjunta com a Cirurgia Geral a primeira hipótese diagnóstica foi apendicite aguda

Resultados

Os exames laboratoriais evidenciaram leucocitose com desvio para esquerda e proteína C reativa aumentada. A tomografia computadorizada de abdome evidenciou plastrão de aspecto inflamatório no íleo-mesentérico, com espessamento parietal e discreta distensão do íleo distal, além de vários linfonodos com até 0,8cm esparsos na gordura mesentérica da pelve e fossa ilíaca direita. Apêndice cecal anatômico. Ultrassonografia de abdome total demonstrou presença de linfonodos mesentéricos sugerindo adenite mesentérica. Paciente foi internada em enfermaria e, após descartado quadro de apendicite aguda, iniciou-se ciprofloxacino e metronidazol para infecção gastrointestinal. Após quatro dias em uso de antibiótico a paciente permanecia sintomática. Apesar da coprocultura negativa para Yersinia, optou-se por realizar teste terapêutico e trocar antibioticoterapia para sulfametoxazol-trimetropim, pensando na hipótese diagnóstica de adenite mesentérica por Yersinia enterocolítica. A paciente apresentou melhora clínica e laboratorial dentro de 24 horas. Teve alta hospitalar com resolução completa do quadro, o que nos faz pensar como principal hipótese diagnóstica a infecção por Yersinia enterocolítica.

Conclusões/Considerações finais

Conclusão Em casos de suspeita de apendicite aguda associado a um quadro de diarréia, deve-se pensar na possibilidade de adenite mesentérica, cuja principal causa é a infecção por Yersinia enterocolítica.

Palavras Chaves

Adenite mesentérica; Abdome Agudo; Apendicite Aguda; Yersinia enterocolítica

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Adventista Silvestre - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Maria Fernanda Nasser Amoedo, Bárbara Costa Bracarense, Luisa Adriana Almeida Antunes, Ana Paola Lavigne Safadi, Sâmara Silva Stocco De Melo


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017