Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

IDENTIFICAÇÃO DA PREVALÊNCIA DE MORTES POR SEPSE NO NORDESTE

Fundamentação/Introdução

Sepse é uma disfunção orgânica potencialmente fatal causada por uma resposta do hospedeiro desregulada à infecção. O dano ao órgão final é identificado como uma alteração aguda no escore de Avaliação de Falha de Órgãos Sequencial (SOFA) ≥2. A doença é a principal geradora de custos nos setores público e privado, devido a necessidade de utilizar equipamentos sofisticados, medicamentos caros e exigir muito trabalho da equipe médica. O conhecimento sobre a epidemiologia dos casos de morte por sepse são de suma importância para sua detecção precoce a beira do leito e, quando associado à instituição de adequado tratamento, tem se mostrado decisivo para um desenlace mais favorável dessa patologia.

Objetivos

Identificar a prevalência de mortes devido à septicemia no Nordeste em comparativo com a mortalidade geral.

Delineamento/Métodos

Foi realizado um estudo analítico transversal do tipo ecológico, onde foram analisados o número de óbitos relacionados à septicemia no Nordeste de 2004 a 2013, disponível na base de dados DATASUS, através dos códigos CID-10: A40 (Septicemia streptococica) e A41(Outras septicemias). Estes dados foram cruzados com as variáveis: ano, faixa etária, sexo e local de ocorrência. Também foi realizada revisão de literatura na base de dados Scielo, Bireme e Bvsalud.

Resultados

Os dados do DATASUS revelaram que os casos de mortalidade por sepse foram de 3311; 3476; 3114; 3058; 3170; 3269; 3270; 3820; 3796; 4153, respectivamente. De acordo com a faixa etária, chamam atenção os índices em crianças menores de um ano, 3311 casos, e adultos maiores de 80 anos, 10223 casos, porém, nota-se aumento considerável da mortalidade a partir dos 50 anos. Na variável sexo, observaram-se valores semelhantes em homens e mulheres, respectivamente, 17297 e 17122. Quanto ao local de ocorrência, o maior número de óbitos ocorre a nível hospitalar com 30.729 óbitos de um total de 34.437. A mortalidade geral foi de 2.787.864 e a septicemia representa cerca de 0,8% deste valor.

Conclusões/Considerações finais

O manejo atual da sepse requer um diagnóstico precoce e um tratamento agressivo, incluindo a detecção e eliminação do foco infeccioso, monitorização e uso adequado de antimicrobianos. O diagnóstico quando feito nas primeiras horas eleva consideravelmente a chance de vida do paciente, pois na presença de choque séptico, cada hora de atraso na administração de antibióticos efetivos está associada a aumento da mortalidade.

Palavras Chaves

Sepse. Urgência. UTI

Área

Clínica Médica

Autores

Natália Assis Nóbrega, Ana Luisa Nunes Meira, Christiane Costa Barros, Iago Marques Batista, Mateus Cesar Araújo Rodrigues

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017