Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

APLASIA CUTIS CONGÊNITA: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

INTRODUCAO: Ausência de formação completa da pele ao nascimento, se mostrando como uma ferida ulcerada na linha mediana do couro cabeludo, podendo atingir o periósteo, crânio e dura-máter.

Objetivos

OBJETIVO: Relatar o caso de um recém-nascido, a termo, que ao exame em sala de parto apresentou à inspeção, uma lesão ulcerada, hiperemiada com crosta única, pequena, em região mediana de sutura sagital, sendo levantada a hipótese diagnóstica de Aplasia cutis congênita (ACC), uma entidade rara e ainda com necessidade de estudos que auxiliem na padronização do tratamento.

Delineamento/Métodos

DESCRIÇÃO DO CASO: Recém nascido (RN), masculino, a termo, nascido com 39 semanas de idade gestacional, de parto cesáreo eletivo, sem intercorrência durante a gestação, mãe GII PI AI (1 aborto espontâneo na 9ª semana de gestação) ,com pré-natal adequado e pesquisa de Torchs negativa.
Ao nascimento, pesava 2.970g, com perímetro cefálico de 31cm, Apgar 9/9, no primeiro e quinto minuto, respectivamente. A placenta apresentava-se sem alteração à inspeção pós-parto. Ausência de intercorrências na sala de parto. Ao exame em sala de parto apresentou à inspeção, uma lesão ulcerada, hiperemiada com crosta única, de medida 2cm x 2cm em região mediana de sutura sagital, sendo levantada a hipótese diagnóstica de aplasia cutis congênita.
A criança seguiu sob aleitamento materno exclusivo e sem outras intercorrências. Foi então submetido à ultrassonografia transfontanela com doppler no 2º dia de vida, a qual não demonstrou alterações, posteriormente investigado alteração óssea com uma radiografia de crânio, que também não observou-se alteração. Seguido com investigação para outras malformações: ultrassom abdomen total, ecocardiograma, ultrassom lombo-sacra e radiografia de coluna cervical, torácica e lombar, todos sem alterações.

Resultados

Após 45 dias da data do nascimento, observou-se saída espontânea da crosta e melhora da hiperemia, permanecendo lesão com aspecto cicatricial (Alopécia).

Conclusões/Considerações finais

CONCLUSÃO: Como a ACC é uma entidade rara, a padronização da terapêutica ainda não é muito consensual. Percebe-se a necessidade de estudos que abordem esse tema para melhora de tal padronização e conhecimento entre os profissionais de saúde.

Palavras Chaves

PALAVRAS-CHAVE: Aplasia cutis congênita, aplasia cutis, alopécia.

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital e Maternidade São José - Espirito Santo - Brasil

Autores

Allana Kristina Borges Costa, Amanda Damázio Cabral, Gabriel Targa Pravato, Marcela Dalla Bernardina Fraga Toso, Stheffany Gomes Lima

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017